Alberto Menache. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Credit Suisse iniciou cobertura das ações da Linx, empresa paulista de software para varejo, com recomendação de compra e preço alvo de R$ 37, informa o Valor Econômico.

O banco avalia como “forte” a performance da Linx na Bovespa. A companhia fez o primeiro IPO da bolsa em 2013, em fevereiro, com captação de R$ 528 milhões na oferta inicial.

No começo de março, mesmo divulgando queda nos lucros de 2012, a companhia viu suas ações valorizarem 18% desde o IPO, com precificação a R$ 27 por papel, topo da faixa indicativa.

Agora precificadas em R$ 37 pelo Credit Suisse, as ações levam a confiança do mercado por motivos como a estratégia de crescimento inorgânico adotado pela companhia.

Conforme análise do Credit, fusões e aquisições foram responsáveis por dobrar a receita da Linx entre 2009 e 2011, e o capital levantado durante a oferta inicial da empresa deve ampliar ações afins, consideradas por analistas com elemento chave da estratégia de expansão.

Quando da abertura do capital em bolsa, o diretor-presidente da Linx, Alberto Menache, afirmou que dos R$ 528 milhões captados, 80% serão destinados à compra de empresas.

“Conforme indicamos em nosso prospecto do IPO e em linha com as estratégias que apresentamos aos acionistas, a intenção é continuar procurando seletivamente aquisições no setor de softwares para varejo, tendo em vista a expansão da vertical, o fortalecimento da presença geográfica e a ampliação do portfólio de ofertas”, garante o executivo.

Em 2012, o lucro da Linx caiu 17,7% sobre 2011, indo a R$ 17,3 milhões, enquanto a receita cresceu 25,2% ano/ano, somando R$ 230,9 milhões.

A empresa conta com mais de 1,5 mil colaboradores, distribuídos na matriz, filiais e escritórios em Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Jaboticabal, São Carlos e Montenegro, além de canais de distribuição no Brasil e no exterior.

A carteira de atendidos traz mais de 12,7 mil varejistas.