Tinder e Square largaram bem na bolsa. Foto: divulgação.

Em uma quinta-feira movimentada para as bolsas de valores norte-americanas, duas empresas de TI chamaram a atenção com boas largadas em suas primeiras listagem no mercado de ações. O Match Group, responsável pelo Tinder, e a Square, empresa de pagamentos eletrônicos, iniciaram valorizadas.

As ações da Square, a companhia de pagamentos por dispositivos móveis co-fundada e ainda dirigida pelo presidente-executivo do Twitter Jack Dorsey, chegaram a disparar 64 por cento na estreia nesta quinta-feira.

As ações da Square tocaram a máxima de US$ 14,78 no início das negociações, avaliando a companhia como valendo US$ 4,77 bilhões. A Square levantou 242 milhões de dólares no IPO.

A Square divulgou prejuízo de US$ 131,5 milhões para os primeiros nove meses do ano depois de prejuízo de US$ 117 milhões um ano antes. Entretanto, a receita saltou 49%, para US$ 892,8 milhões.

Já as ações do Match Group saltaram até 16 por cento na estreia nesta quinta-feira, o que avaliou a companhia como valendo US$ 3,34 bilhões.

A oferta inicial da companhia controlada pelo magnata de mídia Barry Diller levantou US$ 400 milhões, com ações vendidas a US$ 12 cada, no ponto mais baixo do intervalo estimado de US$ 12 a US$ 14.

Para analistas, as boas largadas do Match Group e da Square serviram para reacender a esperança para companhias de TI interessadas em abrir seu capital na bolsa. Este ano, muitos analistas levantaram a possibilidade de uma desaceleração neste mercado, o que poderia diminuir investimentos.

Segundo um relatório da consultoria CB Insights divulgado em agosto, nos últimos anos cerca de 132 startups foram avaliadas em mais de US$ 1 bilhão. Conforme apontaram analistas para a Reuters, o medo de muitos investidores é que boa parte deste montante não chegue a esta valorização em uma possível oferta pública de ações.

Outro indício do fim de uma possível "bolha das startups" - referência à bolha das pontocom no início dos anos 2000 - é que apenas 42% das 38 empresas de tecnologia que fizeram IPO conseguiram a valorização esperada, segundo a firma de inteligência Ipreo.