Equipamentos vendidos interferem na privacidade em países da Ásia, África e Oriente Médio. Foto: flickr.com/photos/m4rialu.

Um relatório elaborado pela ONG britânica Privacy International aponta que 338 empresas privadas vendem sistemas de vigilâncias similares aos da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA). Os serviços são para rastreamento de e-mails, SMS, telefones e redes sociais. 

Desse total, 77 estão no Reino Unido oferecendo 97 tecnologias diferentes, de acordo com publicação do jornal The Guardian. As outras estão localizadas nos Estados Unidos, França, Alemanha, Itália e Israel. 

Entre os produtos oferecidos estão câmeras de espionagem que podem ser escondidas em objetos e um sistema de interceptação de fibra ótica para internet, similar ao Tempora, usado pela agência britânica GCHQ, lançado pela empresa de Dubai Advanced Middle East Systems. 

Um outro sistema igual é fornecido pela sul-africana VASTech, que se defende dizendo que o objetivo dos equipamentos é reduzir crimes de pornografia infantil, tráfico humano, de drogas e de armas, entre outros.

O levantamento levou quatro anos para ser elaborado. 

São vendidos vans espiãs, câmeras escondidas, gravadores, câmeras portáteis de biometria e localizadores de celulares. 

As empresas dizem que as tecnologias, que são oferecidas para países da Ásia, África e Oriente Médio, servem para o combate do terrorismo e da criminalidade.

A ONG defende que as empresas britânicas deveriam enfrentar as mesmas regras de licença e exportação destinadas aos fabricantes de armas, pois interfere na privacidade dos cidadãos e os equipamentos estão sendo usados para espionar ativistas de direitos humanos, jornalistas e participantes de movimentos políticos.