William Tavares, coordenador de infraestrutura de TI da ELO. Foto: divulgação.

A gaúcha ELO Sistemas Eletrônicos, produtora de equipamentos e soluções para a área de energia, adotou uma nova solução integrada de segurança para sua operação, através do sistema Check Point, junto à NGX IT, de Porto Alegre.

O pacote adquirido pela ELO abrange os equipamentos e soluções de firewall, VPN e filtros de aplicação e navegação.

Com o uso de VPN entre as suas unidades, a empresa cancelou dois circuitos MPLS dedicados, resultando em uma economia que pode chegar a R$ 200 mil anuais.

A empresa não divulgou valores da aquisição, mas destaca que a implantação fez parte de um contrato de suporte técnico assinado com a NGX IT. A implantação foi iniciada em abril e finalizada agora em outubro.

As mudanças envolveram a troca do sistema open source IpTables pela nova solução em busca de uma plataforma escalável, capaz de centralizar as operações da companhia, segundo destaca o coordenador de infraestrutura de TI da empresa, William Tavares.

"A solução anterior não oferecia uma visibilidade clara do ambiente de rede, o que ocasionava incidentes de disponibilidade uma vez por mês.  Em seis meses com o Check Point, não registramos nenhum", relata Tavares.

EXPANSÂO
De acordo com o coordenador, a mudança chega para preparar o sistema às expansões do negócio previstas para a empresa.

"Para isso, precisamos aumentar significativamente a segurança e nossa capacidade de monitoramento da infraestrutura", completa.

A ELO conta atualmente com 17 unidades, 15 delas no Brasil, 1 no Chile e outra nos Estados Unidos, com mais de 1,6 mil colaboradores.

Segundo William, mesmo com o pouco tempo de uso para o novo sistema, a Elo já reduziu custos em sua estrutura de comunicação.

NGX IT
A NGX IT foi lançada no mercado em abril, como resultado da fusão entre a E-Partner, especializada em infraestrutura e comunicações, e a TopTrend, focada em soluções de segurança.

Com a fusão, objetivo da NGX IT é chegar a 2015 com o dobro do faturamento atual, não revelado pelas companhias, que tem uma expectativa de crescimento na faixa dos 25% anuais. A carteira de clientes inclui nomes como PUC-RS, Todeschini e Lojas Colombo.