A Algar Ventures será a ponte entre o ecossistema de inovação com as empresas do grupo. Foto: Divulgação.

O grupo Algar lançou uma iniciativa que busca identificar empreendedores e parceiros com negócios considerados inovadores para investimentos. A Algar Ventures terá contato com redes de startups, faculdades, espaços de coworking, fundos de investimento, incubadoras e aceleradoras.

O intuito da unidade é promover a ponte entre o ecossistema de inovação e as empresas do grupo Algar. No site do projeto, é possível cadastrar propostas de negócios, informando área de atuação e estágio da startup.

“A ideia é antecipar tendências no mercado e, consequentemente, alavancar vantagens competitivas do grupo. Desenvolvendo este relacionamento também poderemos complementar o nosso portfólio de forma a gerar negócios sustentáveis com valor percebido”, destacou o vice-presidente de Estratégia e Inovação do Grupo Algar, Clau Sganzerla.

O investimento do grupo na Algar Ventures será de 5% de seu lucro líquido por ano. Assim, os recursos para o primeiro ano de atuação do fundo serão de R$ 10 milhões. 

Em sua primeira etapa, a Algar Ventures irá atuar por meio de parcerias e acordos com incubadoras, aceleradoras e outros agentes de inovação em todo o Brasil.

Depois, com o modelo Corporate Venture Capital, a empresa realizará investimentos diretos ou por participação em fundos. A intenção é priorizar o conceito de Open Innovation e parcerias com setores alinhados à estratégia de negócio do grupo.

Formada por funcionários do grupo Algar, a Algar Ventures tem como campos de interesse os temas cidades inovadoras, agronegócios, indústria do futuro, energia, educação do futuro, wearables, sociedade da informação, alimentos, transporte e logística, pequenas empresas, turismo e viagem, plataformas científicas e tecnológicas.

O Grupo Algar tem negócios diversificados, desde a produção de soja até um parque aquático, passando por venda de produtos de consumo, serviços de TI e telecom. Com 22 mil funcionários, a empresa tem faturamento anual de R$ 5 bilhões.

A busca por uma aproximação com startups tem crescido em grande empresas. 

O Grupo BMG, por exemplo, lançou na semana passada uma nova empresa batizada de BMG UpTech, que tem o objetivo de atuar como elo entre startups e o mercado. A empresa reservou um andar de sua sede em Belo Horizonte para que startups selecionadas trabalhem em seus projetos enquanto uma equipe planeja o go to market.

No final do ano passado, o Totvs Ventures, fundo da Totvs criado em 2013, investiu um valor não revelado no Brasil Aceleradora de Startups Fundo de Investimentos em Participações (FIP).