Até agora, duas empresas de maior porte optaram por acordos diretos. Foto: flickr.com/photos/68751915@N05

Tamanho da fonte: -A+A

O Sindppd-RS fechou um acordo coletivo diretamente com o Grupo Compasso pelo qual os 180 funcionários da empresa terão aumento salarial de 7,66%.

A cifra representa um aumento real de 1% mais o INPC dos últimos 12 meses, atualmente em 6,66%. A Compasso tem operações em Passo Fundo e Porto Alegre. A empresa manterá a semana de 44h.

“Esse acordo com mostra, mais uma vez, que não há nada que justifique a intransigência do sindicato patronal e dos demais empresários em não atender as reivindicações dos trabalhadores”, afirma o Sindppd-RS em nota divulgando o acordo.

O Grupo Compasso é a segunda empresa de algum porte a aderir a um acordo por separado com o sindicato.

A primeira foi o centro de desenvolvimento e suporte da SAP em São Leopoldo, que fechou o mesmo reajuste e cedeu ainda a redução da semana de trabalho de 44h para 40h para seus mais de 400 colaboradores.

Além da Compasso e do SAP Labs, a Cyberweb e empresas de menor porte como Ely Projetos, Serkell e Masternet também fecharam com aumentos reais não divulgados pelo sindicato.

Os acordos separados estão sendo fechado abaixo das reivindicações do Sindppd-RS frente ao Seprorgs, onde a demanda é por aumento real de 2%, além da redução da semana de trabalho para 40h.

Uma audiência de conciliação está marcada para o final do mês na Justiça do Trabalho, mas o mais provável é que não se chegue a um acordo.

O Seprorgs, em linha com posições já assumidas anteriormente, não aprova aumento real, afirmando que os salários já estão pressionados em alta pela concorrência por mão de obra.

A tendência parece ser que o Sindppd-RS negocie com mais dureza nessa ocasião, pois está rebaixando as demandas apresentadas na negociação de 2011, na qual saiu com as mãos vazias.
 
No ano passado, o sindicato pedia 11% de aumento – levou 5,39%, equivalentes ao INPC do período – e redução imediata da jornada de trabalho de 44h para 40h, o que também não aconteceu.