DOUTORES

Softplan adquire Projuris

19/01/2022 09:09

Empresa amplia sua presença no meio jurídico, comprando solução para departamentos da área e advogados.

Eduardo Smith, CEO da Softplan. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Softplan, desenvolvedora de software catarinense com forte presença em sistemas para tribunais de justiça, reforçou sua operação no meio jurídico com a aquisição da Projuris, uma companhia de Joinville que oferece soluções voltadas para departamentos jurídicos e escritórios de advocacia.

Não foi revelado o valor do negócio, mas a Softplan afirma que é a maior aquisição já feita pela companhia, além de ser a primeira compra total.

A Projuris é uma empresa importante no seu nicho, com 350 funcionários e um faturamento de R$ 50 milhões em 2021, uma alta de 35% frente ao ano anterior. 

A empresa tem 500 clientes corporativos, incluindo grandes grupos como Cielo, Rodobens e Klabin, além de outros dois mil escritórios de advocacia.

A solução oferece gestão de contratos, atos societários, procurações, processos jurídicos e outras demandas legais. A meta é ser a “legaltech número 1 do país”.

A aquisição é um acréscimo significativo para a Softplan, que faturou R$ 428 milhões em 2021, uma alta de 20%. A meta para 2022 é de R$ 588 milhões.

Fundada em 1990 em Florianópolis, a Softplan tem dois mil funcionários. O seu carro chefe é o SAJ Tribunais, uma solução com 100 mil usuários que gerencia mais de metade dos processos da justiça estadual, atendendo Tribunais de Justiça em todo o país.

“Nossa estratégia é manter a marca Projuris ativa, posicionando a Softplan de maneira relevante no mercado jurídico. Também vamos preservar a atual gestão da companhia que vem executando um excelente trabalho”, destaca o diretor de Fusões e Aquisições da Softplan, Guilherme Tossulino. 

O CEO da ProJuris, Sérgio Cochela, é um profissional experiente, com passagens por grandes empresas catarinenses de tecnologia como a Datasul e a NeoGrid, onde foi diretor financeiro.

A Softplan tem procurado nos últimos tempos diversificar a sua oferta e fortalecer outras áreas, com ênfase no mercado privado, onde já tem uma presença na área de construção. Foram feitas três aquisições nos últimos 12 meses.

No ano passado, a empresa anunciou a aquisição de participações majoritárias da Checklist Fácil, especializada em software para criação e aplicação de checklists, e do Construtor de Vendas, CRM especialista no mercado imobiliário. 

“Estamos sempre atentos às oportunidades do mercado. Para 2022, temos grandes perspectivas de crescimento, especialmente no segmento de software para o setor jurídico e construção civil”, afirma o CEO da Softplan, Eduardo Smith.

Smith, contratado para a posição de CEO no ano passado, é ele mesmo parte das mudanças em curso na Softplan.

O executivo é fundador da 42K Investimentos, focada em investimentos anjo e mentoria de startups, além de ser board member da BizCapital, fintech especializada em empréstimos para micro e pequenas empresas.

Antes de focar nos investimentos em startups, Smith atuou por mais de 11 anos no Grupo RBS, onde passou por cargos como vice-presidente da empresa em Santa Catarina e VP de jornais, rádio e digital. 

MERCADO EM ALTA

O potencial do mercado de legaltechs, ou lawtechs, dependendo de quem fale, é enorme.

O Brasil tem 1,2 milhão de advogados inscritos na OAB e cerca de 100 mil escritórios jurídicos, sem falar dos departamentos dentro de grandes empresas.  O país gasta o equivalente a 2% do PIB com processos judiciais.

Talvez por isso, os últimos anos tem sido de bastante atividade nesse segmento.

No ano passado, a Benner Sistemas, especializada em software de gestão, criou a Extrajuris, uma spin off focada no nicho de resolução de disputas online, o que se conhece no jargão jurídico como uma ODR.

Em 2020, a Preâmbulo Tech, curitibana de software para gestão jurídica, recebeu um aporte com recursos do Fundo Criatec 3, criado pelo BNDES e gerido pela KPTL.

O valor inicial foi de R$ 3 milhões, mas o volume total poderia chegar a R$ 10 milhões de acordo com o cumprimento de metas.

Em 2019, a Constellation Software, uma companhia canadense, comprou a catarinense Aurum, desenvolvedora dos softwares jurídicos Astrea e Themis.

Já no ano seguinte, em 2020, a Constellation voltou à carga, desta vez comprando a Kurier, uma companhia pernambucana de software jurídico com 1,7 mil clientes, incluindo aí sete dos 10 maiores escritórios de advocacia do país. Esse negócio também teve a participação da Triaxis Capital.

Um mês depois, a Elaw Tecnologia, fornecedora de um sistema de gestão de departamentos jurídicos usado por 200 grandes empresas do país, fechou uma joint venture com a Impacta, uma empresa do mesmo ramo.

Veja também

CONTRATAÇÃO
Envolti tem novo gerente de operações

Com mais de 20 anos de experiência, Wellington Morais de Almeida vem da Ellevo.

EXCLUSIVO
Ex-Linx assume RH da Softplan

Waleska Cunha era diretora da companhia de software para o varejo há seis anos.

LEGALTECH
Eletrosom otimiza jurídico com EasyJur

Rede de varejo administrava 30 mil processos com planilhas.

ELÉTRICO
CPFL Energia: gestão de documentos com Docket

A companhia utiliza inteligência artificial na análise e gestão de matrículas de imóvel.

AQUISIÇÃO
Constellation compra Escriba

A paranaense é especializada em sistemas para a gestão de cartórios extrajudiciais.

NOTAS FISCAIS
Arquivei recebe aporte de R$ 260 milhões

A rodada de série B foi liderada pela Riverwood Capital.