Façam suas apostas. Foto: Baguete.

Tamanho da fonte: -A+A

Para quem guarda o sonho de ter o seu iPhone, apresentamos a opção de smartphone mais próxima... em termos de nome.

A Gradiente anunciou nesta semana o lançamento de sua linha Iphone de celulares, com a chegada do seu primeiro modelo, o Neo One.

Segundo divulgado em nota à imprensa, a companhia tem o direito de usar a marca Iphone porque a IGB Eletrônica, atual detentora da marca Gradiente, tem os direitos exclusivos de registro do nome no país.

Segundo relatado em matéria do Valor, em 2000, sete anos antes do lançamento do primeiro iPhone, a Gradiente entrou com pedido de registro da marca Iphone no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Em janeiro de 2008, a companhia teve seu registro concedido pelo órgão, ficando com os direitos exclusivos de produção e comercialização da marca até 2018.

O TELEFONE
O Gradiente Iphone Neo One chega às lojas por R$ 599 (quase R$ 2 mil mais barato que o iPhone 5). O preço modesto também se reflete na configuração do aparelho, mais tímida que o smartphone da Apple.

O aparelho conta com sistema Android 2.3.4, display touch de 3.7" com resolução de 320X480, câmera de 5MP, processador de 700 Mhz, suporte a 3G, memória de 2GB expansível até 32GB com cartão, pesando cerca de 130 gramas.

Mesmo perdendo em praticamente todos os quesitos, o Iphone da Gradiente bate a máquina da Apple em um departamento - ele é dual chip, recurso que o iPhone norte-americano não possui.

Segundo a Gradiente, a companhia decidiu que era o momento ideal para trabalhar com uma marca adequada e que é de seu pleno direito de uso.

"O lançamento agora da família Iphone acontece no momento em que a Gradiente passa a ter um portfólio de aparelhos celulares no segmento smartphones de última geração", anunciou a empresa em comunicado.

GRADIENTE
Uma das companhias mais expressivas do mercado eletrônico brasileiro desde os anos 60, a Gradiente sofreu com o fortalecimento das multinacionais na última década.

Em 2007, a empresa chegou a fechar suas portas, somando uma dívida de R$ 500 milhões.

Em 2011, depois de mudanças em sua razão social para retomar as suas atividades, a Gradiente anunciou a retomada de suas atividades, com o lançamento de telefones e tablets em 2012.

"A empresa está produzindo e comercializando de forma ativa suas linhas de produtos - celulares, tablets, aparelhos de áudio e vídeo, máquinas fotográficas, monitores, entre outros - e planeja expandir suas atividades para 2013", destacou a companhia.

PROBLEMA NA PATENTE
Não é a primeira vez que produtos da Apple encontram rivais de mesmo nome nas terras tupiniquins. Em 2010, ano de lançamento do iPad, a empresa de Cupertino foi alvo de um processo da paulista Transform, que alegava deter os direitos do nome.

O I-PAD Fast, rival do tablet da Apple, no entanto, era um desfibrilador. Mesmo assim, para não perder a chance, a companhia brasileira, que possuía o registro do nome no Inpi desde 2007, levou o caso à justiça.

O resultado não foi dos melhores, já que a Transform perdeu o processo para a Apple em primeira instância.

Parece ser um mal prenúncio para a Gradiente numa eventual batalha com a Apple, se a empresa americana decidir processar os brasileiros por uso indevido de marca.

O que não quer dizer que nãos seja possível lucrar com a manobra.

No mínimo, se levarmos em conta a vida útil média de um celular, que é de aproximadamente 7,5 meses segundo analistas, a Gradiente já poderá fazer uma boa propaganda na onda do smartphone mais famoso do mundo, antes de um juiz brasileiro sequer por o olho no caso.