A Oi e a Nokia Networks fecharam uma parceria para desenvolvimento de projetos de IoT. Foto: Divulgação.

A Oi e a Nokia Networks fecharam uma parceria para desenvolvimento de projetos na área de Internet das Coisas (IoT). As empresas criarão um laboratório, localizado no Rio de Janeiro, focado na tecnologia LTE- M.

Até agora, as empresas assinaram memorando de entendimento e estão criando um grupo de trabalho para o estudo de soluções e oportunidades em IoT. A ideia é desenvolver projetos conjuntamente e testar soluções inovadoras nesse campo. 

Os investimentos em inovação serão custeados por um fundo que servirá para financiar projetos ligados ao segmento de IoT como agronegócio, carros conectados, casas e cidades inteligentes, e-health, entre outros.

Com inauguração prevista para o primeiro trimestre de 2016, a proposta é que o novo laboratório desenvolva soluções que atendam às necessidades de conectividade dos sistemas de comunicações futuras.

Por meio do ambiente, a Nokia Networks e a Oi também se envolverão em colaboração com principais players da indústria brasileira. As empresas promoverão a geração de conhecimento e pesquisas conjuntas com universidades e institutos de P&D ara alavancar o desenvolvimento de um ecossistema brasileiro de IoT. 

A Oi investirá este ano cerca de R$ 20 milhões em projetos de alta tecnologia, o que representa um aumento de 20% em relação ao volume investido nessa área ao longo do ano passado.

“As soluções inovadoras que pretendemos desenvolver, que serão em grande parte suportadas por este novo laboratório de IoT, nos permitirão avançar com novas ideias de tecnologia, para colocar o Brasil no mapa global em termos do desenvolvimento da Internet das Coisas”, afirma Pedro Falcão, diretor de Tecnologia de Rede e Sistemas da Oi.

O LTE está em desenvolvimento para apoiar a Internet das Coisas como uma tecnologia pré 5G. A evolução do LTE para IoT está na fase de normalização e incluem variantes, tais como a NB-LTE e LTE-M. As operadoras podem implantá-los em suas redes LTE já existentes com uma atualização de software.

O mercado global da Internet das Coisas (IoT) deve crescer de US$ 655,8 bilhões em 2014 para US$ 1,7 trilhão em 2020, segundo projeção da IDC. A empresa acredita que o número de dispositivos conectados avançará de 10,3 milhões para mais de 29,5 milhões no mesmo período.

Para aproveitar o crescimento do segmento, outras operadoras também tem parcerias para pesquisa. Em outubro, a Ericsson anunciou que fará no Brasil em 2016 o seu primeiro teste de redes de telecomunicação móvel de quinta geração (5G), em parceria com a Claro. 

O projeto envolverá tecnologias de aplicação da nova rede em parceria com operadoras e ecossistema, colocando instituições acadêmicas, agentes de saúde, energia e agricultura para testar as funcionalidades da conexão em uma rede ao vivo.