Fausto Motter.

A GA acaba de contratar Fausto Motter, que vinha liderando um grande projeto SAP na Iochpe Maxion, para gerenciar a estratégia da empresa em relação à tecnologia da multinacional alemã.

Em nota, a GA afirma que SAP é agora o “carro chefe” da empresa no Brasil. 

Conhecida como Grupo Assa até 2015, a GA é parceira SAP e Oracle para software de gestão e também atua com CRM da Oracle. Recentemente, a empresa foi comprada pela compatriota Globant, que também tem operações no Brasil.

É a segunda passagem de Motter pela GA. Na primeira, entre 2006 e 2010, o profissional chegou a liderar a prática SAP na empresa.

Depois, Motter passou pelas áreas SAP da Softtek e TCS, sempre envolvido em projetos de grande porte, até ser contratado pela Gerdau, novamente para um projeto SAP.

Nos últimos anos, além da Iochpe, Motter também foi fundador da OVLY, uma startup focada em formação de profissionais SAP.

Em 2018, recebeu o SAP Developers Hero pela contribuição com tópicos de S/4HANA junto à comunidade de desenvolvedores e em 2019 foi nomeado SAP Champions.

Um nome de peso quando o assunto é SAP, por tanto.

“A nomeação de Motter vem para reforçar nossa estratégia de crescimento e posicionamento no mundo SAP e representa um importante marco na consolidação de nossa pratica SAP na América Latina, onde temos um plano importante de investimentos e bem desafiador em termos de crescimento esperado para 2021”, aponta Carlos Henrique de Souza Marques, diretor de contas globais e head da prática SAP do GA.

A GA não chegou a abrir metas, mas o seu foco será o de muitas consultorias no mercado SAP: a migração para o S/4 Hana, a última versão do ERP dos alemães. 

O suporte para a versão anterior (recentemente ampliado) vai até o final de 2027, o que deve levar a uma corrida por atualizações nos próximos anos.

Ao todo, a GA já fez 50 implementações de ERP da SAP. Recentemente, a companhia foi comprada pela Globant, uma outra companhia argentina com presença no Brasil e especialização em desenvolvimento de software.

“Vamos apostar em agregar valor ao negócio do cliente que está migrando, visto que, com as sinergias capturadas junto à Globant, poucos parceiros têm um portfólio de serviços e conhecimento de negócios em nível tão maduro, sofisticado e experimentado como no GA”, assegura Motter.

Atualmente, o GA tem 1,1 mil funcionários, 350 deles consultores SAP.

A Globant, aliás, também está mexendo na operação no Brasil: na semana passada, ela anunciou a contratação de Alexandre Thomaz, ex-diretor de serviços de consultoria e outsourcing de TI da IBM, para ser o seu diretor executivo no Brasil.

A empresa divulgou o nome em uma nota distribuída para a imprensa sobre a “expansão de suas operações no Brasil”, visando “solidificar sua presença na região”.

Questionada pela reportagem do Baguete sobre o que isso significa na prática, a Globant disse que a estratégia de expansão poderá incluir "futuras aquisições e até mesmo abertura de novos escritórios, bem como contratação de mais pessoal".

A empresa já tinha uma operação em São Paulo, ainda que sua atuação no mercado brasileira fosse até agora discreta.

A Globant é bem maior que a GA, com 12,5 mil funcionários, clientes como Google, Rockwell Automation, Electronic Arts e Santander e um faturamento de US$ 522 milhões em 2018.

A empresa foi apontada “Worldwide Leader of Digital Strategy Consulting Services” pelo relatório IDC MarketScape e foi ainda a primeira empresa latino americana a abrir capital nos Estados Unidos, ainda em 2014.