Chuck Robbins, CEO da Cisco. Foto: Divulgação.

A Cisco planeja cortar cerca de 7% de sua força de trabalho na tentativa de se reposicionar como uma fornecedora de sistemas e serviços baseados em software.

A empresa informou em comunicado que vai eliminar 5,5 mil posições de sua força de trabalho de mais de 73,7 mil. 

Com a economia gerada com os cortes, a empresa vai investir em novos negócios com os quais a Cisco espera impulsionar um aumento de receita, como computação em nuvem e dispositivos conectados.

"Nós precisamos fazer algumas mudanças bastante imediatas em nosso portfólio. As expectativas dos clientes tem mudado rapidamente e os líderes no futuro serão as empresas que entendem essas dinâmicas", afirmou Chuck Robbins, CEO da Cisco, segundo a Bloomberg.

Robbins, que assumiu a empresa em julho de 2015, vem trabalhando para retomar o crescimento da Cisco, deslocando a empresa para produtos baseados em software para redes, segurança e gestão. 

Para a Bloomberg, o corte de profissionais pode dar a Robbins os recursos para acelerar a transição da empresa, potencialmente ajudando-a a tirar proveito de uma demanda mais forte em mercados como segurança.

"Nós estamos olhando para as áreas onde acreditamos que o crescimento virá mais rápido. Não é que estejamos ignorando um segmento em favor de outro, mas queremos garantir que os nossos investimentos são compatíveis com a oportunidade de crescimento", completa.

A companhia também passou por uma onda de demissões em agosto de 2014, quando eliminou 6 mil posições de trabalho.