A Amaggi contratou a Oi para obter de informações em tempo real do maquinário presente na sua lavoura. Foto: Divulgação.

A Amaggi, empresa com atuação em sete países através da produção e comercialização agrícola, em logística e energia, contratou a Oi para utilizar uma solução de banda larga e de IoT (internet das coisas).

Com projeto piloto já em atividade em uma das fazendas da companhia, localizada na cidade de Sapezal, no estado de Mato Grosso, a Amaggi busca levar inteligência para o negócio com a obtenção de informações em tempo real, conectando o maquinário presente na sua lavoura à rede da Oi.

Em fevereiro deste ano, as empresas firmaram o contrato que coloca a Oi como responsável por fornecer e gerenciar a conectividade e os dispositivos encarregados de transmitir os dados do campo à sede da fazenda. 

Com direito ao uso exclusivo da frequência 450 MHz nos estados do Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal, a empresa considera a faixa fundamental para a integração da área rural brasileira ao universo do IoT pela melhor performance para transmissão de dados.

Assim, a Oi leva conectividade à fazenda Tucunaré, da Amaggi. A propriedade de 87,6 mil hectares está localizada a cerca de 500 km de Cuiabá. A operadora garante a cobertura de 70 quilômetros de diâmetro na área de plantio. 

“A frequência de 450 MHz nos proporciona um alcance maior, uma cobertura com raio de 70 km que, para nós, é essencial. Vai nos permitir atuar online sobre os equipamentos, visando melhorar nossa performance operacional, evitando principalmente sobreposições e falhas de operações”, explica Pedro Valente, diretor da Amaggi Agro.

Os sistemas da Oi possibilitam o acesso e o envio de informações online, remotamente, para os implementos agrícolas plugados à rede, permitindo o monitoramento do comportamento e produção da plantação e colheita de soja, milho e algodão. 

“Sabemos que a agricultura de precisão no conceito de indústria 4.0 requer conectividade e levar a nossa solução para uma empresa responsável por uma das performances agrícolas mais expressivas do país mostra que a Oi está pronta para atuar na vanguarda da vertical do agronegócio, como provedora de soluções de TICs em um dos principais pilares da economia do nosso país”, ressalta Adriana Viali, diretora do Corporativo da Oi.

O agronegócio está no foco das operadoras brasileiras.

Na última semana, a Vivo apresentou, em parceria com Raízen e Ericsson, as primeiras soluções de seu programa de startups focado em agronegócio brasileiro. Os sistemas têm foco em telemetria de maquinário, pecuária e previsões climáticas. 

Os projetos foram desenvolvidos por startups que compõe o programa Agro IoT Lab, iniciado em janeiro de 2019. Seis iniciativas foram selecionadas para o desenvolvimento de soluções e aplicações em IoT no agronegócio, utilizando a frequência de 450 MHz.

Já a TIM conta com o projeto "4G TIM no Campo", iniciado em Goianésia com a Jalles Machado, agroindústria referência no setor sucroenergético nacional. O projeto conta com o backhaul da BRDigital. 

A operadora também fechou contrato de piloto com a SLC Agrícola, para ativação de cobertura 4G na Fazenda Panorama, e com a Adecoagro, produtora de alimentos e energia renovável.