Conta de telefone subiu menos que a inflação. Foto: divulgação.

Se existe coisas pelas quais o consumidor brasileiro não pode reclamar do aumento excessivo, é da telefonia. Um levantamento realizado pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), com base em dados do Banco Central dos últimos 13 anos, mostra que os preços dos serviços de telefonia celular subiram cerca de 30% menos que a inflação do período, medida pelo IPCA.

De acordo com o estudo, a inflação acumulada no período de janeiro de 2000 a fevereiro de 2013, registrada pelo IPCA total, foi de 83,7%, enquanto o índice da telefonia fixa ficou em 74,8% e da telefonia celular em 59,1%.

De acordo com a associação, os números indicam que o avanço das tecnologias e os ganhos de produtividade das operadoras estão sendo repassadas para os consumidores.

Nesse período de 13 anos, os acessos à telefonia celular cresceram 17 vezes, alcançando 264 milhões em março de 2013, enquanto os da telefonia fixa passaram de 25 milhões para 44 milhões de linhas.

Em comparação com alguns preços administrados por contratos e monitorados pelo governo a diferença se torna ainda maior. Itens, como o óleo diesel (135,3%) e o bujão de gás (120,4%), subiram mais que o dobro da telefonia móvel, por exemplo.

Em seu relatório trimestral sobre inflação, divulgado em março, o Banco Central projeta ainda uma queda de 2% neste ano para a telefonia fixa, enquanto a estimativa é de que a inflação deverá fechar o ano acima 5%.

O último reajuste das tarifas da telefonia fixa, anunciado em janeiro, foi de 0,55%. Na telefonia celular, o preço médio do minuto caiu 18% em 2012, de R$ 0,21 para R$ 0,17, afirma a Telebrasil.