André Marchiori.

A D-Link, concentrou em São Paulo suas operações na América Latina, transferindo para Barueri as operações regionais de finanças, tecnologia, suporte e gerência de produtos, que estavam em Santiago, no Chile

“Com essa integração promovemos a estrutura organizacional regional e alinhamos a comunicação com o mercado”, explica André Marchiori, presidente da D-Link na América Latina.

As operações em cada país em que a D-Link está presente na América Latina continuam inalteradas e seguirá normalmente junto com os canais de venda.

A D-Link tem escritórios no Brasil, Chile, Colômbia, Peru, México e Equador. A região Centroamérica, que tem escritório posicionado na Costa Rica, cuida da Costa Rica, Guatemala e Panamá.

A transferência é uma nova mudança na operação da D-Link, que no final do ano passado terceirizou seu call center com a Orbitall, do grupo Stefanini, e a logística com a Mercocamp, uma empresa paulista especializada no assunto.

Com as novidades, a companhia trocou a sua sede em Alphaville, na grande São Paulo, por outra operação na vizinha Barueri. Agora sem os setores de logística e call center, a empresa mantém 50 funcionários no local.

Presente no Brasil desde 2001, a D-Link não tem fabricação nacional. As mudanças de 2015 e a concentração da sede parecem sinalizar o desejo de ter uma operação mais enxuta, cortando custos.

Parte das mudanças na companhia incluíram a saída do country manager Victor Proscurchin em setembro do ano passado. O cargo passou a ser acumulado pelo  presidente da D-Link na América Latina, André Marchiori.