Odebrecht é uma potência em engenharia industrial. Foto: divulgação/Odebrecht

Tamanho da fonte: -A+A

A Odebrecht Engenharia de Projetos (OEP) e a Odebrecht Engenharia Industrial, empresas da Organização Odebrecht, adotaram o software Windchill, da PTC, para fazer a gestão dos seus documentos.

“Fizemos uma análise técnica envolvendo várias soluções e escolhemos o Windchill da PTC pela flexibilidade, qualidade da tecnologia e pelas demais funcionalidades oferecidas”, explica Evandro Rangel, CIO da Odebrecht Engenharia Industrial, braço responsável por analisar e atender às solicitações de TI da OEP e de outras empresas e projetos.

A implementação, feita através da revenda paulista Fast-i, usou uma estratatégia chamada Plano 30, através do qual foram mapeados e redesenhados todos os processos da empresa, e elencadas as prioridades em 30 dias úteis. 

Nos cinco meses subsquentes foram solucionados problemas e questões periféricas. 

Para essa primeira etapa, iniciada em setembro de 2012, foi criado um comitê composto por profissionais de todas as áreas da engenharia da OEP – Mecânica, Instrumentação, Elétrica, Civil, Processos, Qualidade e Doc Control.

Na área de Documentação – Doc Control – o cronograma de implementação já foi concluído. Essa área é um ponto sensível da companhia porque coordena todas as entregas de documentos de projetos de engenharia que são feitas pela OEP. 

“Todos precisam ter acesso à informação correta e atualizada. Isso é fundamental para o sucesso de cada projeto e essa segurança foi obtida com o uso do PTC Windchill”, destaca Suzi Rampazzo, responsável pela área de Documentação e Informação Técnica da Engenharia da OEP. 
 
De acordo com Rangel, outro ponto importante a salientar foi a  adequação do PTC Windchill para a área de engenharia de construção de plantas industriais de diferentes tipos (siderúrgicas, mineradoras, petroquímicas, gasodutos, entre outras), que é o foco de atuação da Odebrecht Engenharia Industrial. 

Segundo o executivo, outras empresas da Organização Odebrecht, dentre as quais a Mectron e a ICN (Itaguaí Construções Navais) foram as primeiras a usar a solução da PTC que agora está sendo aplicada também nos projetos Odebrecht Engenharia Industrial. 

“Em geral, o pessoal operacional não gosta de utilizar algumas ferramentas de processo pois alegam que engessam o trabalho e não agregam ao seu dia-a-dia. Mas isso não é verdade, essas soluções permitem à empresa obter maior controle, rastreabilidade e acompanhamento das informações”, justifica Rangel. 

Segundo o CIO, atualmente está em curso na Odebrecht Engenharia Industrial um processo de unificação das tecnologias. Até então eram utilizadas diversas soluções, que serão substituídas ao longos dos anos por apenas duas: o Windchill e o Cidadon. 

“Hoje o Windchill já está sendo utilizado em seis locais (projetos), e já estamos criando uma nuvem corporativa para que a solução possa ser acessada via web, podendo assim ser usada também em obras menores que preferem contratar o sistema como um serviço interno de sua equipe, conclui Rangel.
        
Fundada em 1944, a Odebrecht é uma multinacional brasileira com atuação nos setores de engenharia e construção, petroquímica, energia, bioenergia, óleo e gás, imobiliário e engenharia ambiental. Presente em 31 países, possui cerca de 180 mil funcionários. 

A PTC está embalada quando o assunto é soluções de gestão de documentação no Brasil. Em 2012, a fechou um contrato de 10 anos avaliado em US$ 50 milhões com a Embraer, batendo na disputa os arquirrivais da Dassault Systemes e Siemens.

Em 2013, a empresa teve faturamento de US$ 1,29 bilhão, alta de 3% frente ao ano anterior.