RECLAMANDO DO QUÊ?

Valim: há setores piores que as teles

17/08/2012 11:11

Para o presidente da Oi, a decisão da Anatel de proibir a venda de novos chips pela operadora, além de TIM e Claro, em julho passado, foi baseada “somente em um número absoluto” no quesito reclamações de clientes.

As teles são injustiçadas? Foto: flickr.com/photos/foamcow

Tamanho da fonte: -A+A

Para o presidente da Oi, Francisco Valim, a decisão da Anatel de proibir a venda de novos chips pela operadora, além de TIM e Claro, em diversos locais do país em julho passado, foi baseada “somente em um número absoluto” no quesito reclamações de clientes, sem levar em conta o “universo de usuários”.

Em palestra na ADVB-RS, Valim explicou que, proporcionalmente, outros setores, como energia elétrica, bancário e de cartões de crédito têm mais volume de reclamações do que a Telecom, por atenderem a menos clientes.

Conforme o gestor, enquanto a Telecom passa dos 300 milhões de clientes no país, em energia elétrica, o número é cerca de seis vezes menor que isso. Nos serviços bancários, é quatro vezes menor e, em cartões de crédito, cinco vezes menor.

Dado corroborado, por exemplo, pelo Procon SP, que em janeiro deste ano divulgou que o Itaú desbancou sozinho as teles no número de reclamações em Procons brasileiros em 2011: com 81,9 mil reclamações, a instituição ficou à frente de Oi (80,8 mil), Claro (70,1 mil) e TIM (27,1 mil).

“Comparando proporcionalmente, a telecom recebe menos reclamações”, destacou  o presidente. “Na Oi, temos um índice de apenas 0,56 reclamações a cada 1 mil clientes, e em todos os requisitos técnicos, atedemos à Anatel: nosso índice de completamento de chamadas é de 98%, a Anatel pede 95%. Nós, temos 0,6% de quedas das chamadas, e a Anatel permite até 2%”, completou.

RS DO NÃO
O presidente também reclamou do mercado gaúcho, onde, segundo ele, a Oi tem seus melhores índices de atendimento, mas também o maior número de reclamações.

Para Valim, um dos pontos cruciais no estado é a restrição ao aumento do número de antenas – principalmente em Porto Alegre, onde o regulamento sobre a distância entre as estações de rádiobase é restritivo até mesmo para a meta geral das Teles de dobrar o número de ERBs até a Copa de 2014, chegando às 100 mil previstas pelo SindiTelebrasil.

“Antena é obviamente o mais necessário: sem antena, sem celular. E em Porto Alegre se tem uma das restrições mais sérias a isso”, comentou o executivo.

Gaúcho, Valim aproveitou sua familiaridade com o estado para dar um tapa de luva no mercado.

“As pessoas do Rio Grande do Sul acham que o estado é o centro do mundo. Mas não é. E eu só posso falar isso porque também sou gaúcho, senão, já viu”, brincou o executivo, que é formado em Administração e especializado em Planejamento Estratégico e Organizações pela UFRGS.

Especialização em  e Finanças pela FGV-SP e MBA da Marshall School of Business, University of Southern California, completam a formação.
 

Veja também

FIM DO EMBARGO
Anatel libera vendas da TIM, Claro e Oi

Após suspensão de 11 dias, órgão regulador estima que problemas nos call centers das operadoras serão resolvidos em um mês, e que as melhorias nas redes podem acontecer entre 4 e 6 meses.

TELECOM
Oi tem queda de 83% no lucro do trimestre

Empresa é uma das proibidas pela Anatel de vender novos chips.

NUVEM
Oi: cliente controla Smart Cloud via portal

Novidade faz parte de produto lançado no início do ano pela operadora de telecom.

Teles querem dobro de antenas de celulares

As empresas de telefonia celular querem dobrar o número de antenas no país nos próximos cinco anos, relata o SindiTelebrasil.

Hoje, o Brasil tem cerca de 50 mil estações rádio base (ERBs). Para atender às necessidades de expansão do serviço nos próximos anos, devem ser necessárias 100 mil antenas.

NO BOLSO
Multa do Procon a teles é de R$ 500 mil

Para se livrarem da multa, e evitarem um prejuízo diário pela proibição de venda, as operadoras terão que colocar em ação um plano dedivulgação dos pontos cegos em Porto Alegre.

Itaú passa teles entre piores do Procon

O banco Itaú conseguiu desbancar as operadoras de telecomunicações entre as empresas com maior número de reclamações nos Procons brasileiros em 2011.

Com 81,9 mil reclamações, a instituição ficou em primeiro lugar, à frente de Oi (80,8 mil), Claro (70,1 mil) e TIM (27,1 mil).