Empresas pequenas precisam de dinheiro para crescer.

A Fapergs divulgou nesta quarta-feira, 16, a lista das 50 empresas aprovadas no edital do programa Tecnova.

A fundação não revelou quanto cada empresa levantou em recursos ou quais foram os projetos apresentados em detalhes. 

Os valores, concedidos a fundo perdido, podiam variar entre R$ 120 mil a R$ 667 mil em cada projeto selecionado.  

Para participar, a empresa deve ter faturamento de até R$ 3,6 milhões ao ano e comprovar a capacidade de investir de 5% a 10% do valor total do projeto, conforme o porte da empresa.

O edital era aberto a empresas de diversas áreas, incluindo petróleo e gás, energias alternativas, TIC, saúde avançada e medicamentos, calçados e artefatos, madeira e móveis, metalmecânico-automotivo e agroindustrial.

Foram escolhidas empresas de 13 municípios: Bento Gonçalves, Cachoeirinha, Caxias do Sul, Garibaldi, Igrejinha, Lajeado, Novo Hamburgo, Pelotas, Porto Alegre, Santa Maria, São Leopoldo, Selbach e Viamão.

A área de tecnologia teve uma participação modesta, com a maioria dos selecionados na área de saúde.

Uma é a Animati, que desenvolve softwares de produtividade para a área de saúde, incluindo  PACS/Radiologia Digital na área da saúde, e softwares para controle de qualidade/automação industrial baseados em visão computacional.

Outras duas, também da área de saúde, são a i9Access, especializada em telemedicina, e a Toth Tecnologia, que fabrica monitores de sinais vitais.

Também levantaram verbas a Falker, fornecedora de soluções soluções para coleta, organização e uso de informações agronômicas; a Goahead, desenvolvedora de softwares para as áreas fiscal e de performance e a HGX Sistemas de Controle, desenvolvedora de soluções em sistemas eletrônicos de controle para veículos elétricos. 

O Tecnova é um programa operado por 21 fundações de apoio à pesquisa em todo o Brasil, incluindo a Fapergs no Rio Grande do Sul, a Fapesc em Santa Catarina e a Fundação Araucária no Paraná. Os recursos totais chegam a R$ 240 milhões.