Ricardo Neves.

Tamanho da fonte: -A+A

Ricardo Neves, primeiro brasileiro a ocupar a posição de CEO na Everis no Brasil em 20 anos, completou recentemente um ano no comando da empresa, com uma série de resultados positivos.

Seria uma ocasião para receber cumprimentos dos colegas de trabalho no escritório - se o executivo estivesse na sede da Everis, em São Paulo. Entretanto, não pôde estar, como não esteve quase nunca desde que foi contratado, em abril de 2020. 

O executivo assumiu a presidência da empresa de consultoria do grupo NTT Data no começo da pandemia do coronavírus, quando os mais de 2,5 mil colaboradores da Everis já trabalhavam em home office. 

Assim, se viu diante do desafio de assumir pela primeira vez em 32 anos de carreira o cargo mais alto de uma organização, sem ao menos conhecer pessoalmente a maioria dos sócios, diretores e demais gerentes do corpo executivo.

A Everis faturou € 1,5 bilhão no último exercício e o Brasil é hoje a segunda maior operação da empresa de consultoria da gigante japonesa NTT, com 27 mil profissionais em 17 países.

Uma situação complicada, mesmo para um executivo com a bagagem de Neves, que fez carreira na PwC, onde chegou a ser sócio, e tem passagem por programas de MBA da Universidade Duke e um programa de desenvolvimento executivo da Harvard Business School.

“O que eu fiz naquele primeiro momento foi lembrar das palavras do meu pai que dizia ‘na incerteza use seus valores’. Então, tomei as decisões baseadas nos valores da empresa alinhados com aqueles que sigo como executivo”, afirma Neves.

Uma das primeiras ações foi inscrever a Everis no movimento #nãodemita, seguida de ajuda financeira dada a cada colaborador para ser usada livremente. 

Em paralelo, o executivo se dedicou a ter conversas individuais com os 60 principais executivos da companhia. 

“Um líder ganha a confiança da equipe quando escuta atenta e empaticamente a todos. Ou seja, quando abrimos o canal aos executivos da empresa, tomamos decisões baseadas no conhecimento deles e isso faz uma diferença grande no resultado final”, conta o CEO.

Além disso, foram realizados diversos eventos virtuais com sessões de perguntas e respostas e brincadeiras para aproximar Neves dos colaboradores. 

Dentre eles estavam cafés da manhã, happy hours com direito a sorteios de cupons em aplicativos de delivery, pizzadas e festas temáticas, como um arraiá que contou com quadrilha virtual e uma festa à fantasia de halloween.

“Eu conheci muito as pessoas através disso, parece que elas estavam mais abertas. Fazíamos dinâmicas e quando percebemos havíamos passado a última hora elogiando um ao outro por meio delas. Esse novo modelo de comunicação tornou as pessoas mais iguais e trouxe sensação de humanidade dos dois lados”, explica.

Ainda, foram realizadas pesquisas para acompanhar as necessidades dos colaboradores no home office, sendo que na segunda pesquisa receberam 1,6 mil comentários de colaboradores, todos lidos pelo CEO.

Os bons resultados nos negócios mostram que a estratégia deu certo. “Acredito que conseguimos fazer um tipo de conexão diferente com as pessoas. Desenvolvemos uma confiança mais sólida e profunda”, afirma o executivo.

Neves não foi o único contratado da Everis durante a pandemia. A empresa agregou 2 mil funcionários no período, o que supôs um desafio adicional, o que demandou uma ênfase grande em projetos de integração.

“Apesar de ter sido um ano muito desafiador, deu muita oportunidade às pessoas no setor de TI. Estamos em um momento bom na área e temos que ajudar o resto do país também”, finaliza Neves.