CONTAS

Santander: 80% está na nuvem

17/05/2022 06:35

Banco espanhol está migrando sua infra de TI para AWS e Azure.

Mudanças rápidas no Santander. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Santander já migrou 80% da sua infraestrutura de TI ligada ao core banking da instituição para uma combinação formada pelas nuvens públicas da AWS, Microsoft e uma nuvem privada do banco rodando em equipamentos próprios.

O projeto, revelado pelo site britânico The Register, é parte de uma iniciativa de modernização orçada em € 20 bilhões a serem gastos entre 2020 e 2024.

A migração está sendo feita com software desenvolvido em casa pelo Santander (a empresa tem 16,5 mil desenvolvedores), com avanços rápidos. Ainda em abril do ano passado, só 60% da infraestrutura estava na nuvem.

Até agora, o banco espanhol já derrubou o custo da energia consumida pela sua infra em 70%.

Fica em aberto como as mudanças afetam a infraestrutura do banco espanhol no Brasil, onde o Santander tem uma presença respeitável.

Em 2015, o Santander anunciou que o recém inaugurado data center em Campinas estava atendendo toda a operação.

O data center de Campinas tem 800 mil metros quadrados e é parte de uma rede de cinco centros de dados mundiais que o banco conta ao redor do globo. 

Os outros centros ficam no México, Reino Unido e Espanha, onde existem duas estruturas.

O data center brasileiro consumiu um investimento de R$ 1,1 bilhão, e, segundo o banco, era na época o primeiro a ser certificado Tier 4 na América Latina.

Toda a infra não impediu um grande “apagão” na área de tecnologia em 2018, quando ficaram fora do ar o uso de cartões de débito e crédito, do internet banking e do aplicativo da instituição. 

Procurado, o banco disse na época que devido a uma “oscilação elétrica alguns serviços do banco ficaram indisponíveis”.

CONTEXTO DO MERCADO

O Santander é mais um grande banco fazendo uma movimentação para migrar para a nuvem do setor financeiro, no qual grandes sistemas legados e questões regulatórias sempre foram vistas como um empecilho para esse tipo de projeto.

De acordo com uma pesquisa da CIO Surveys de 2020, só 16% das empresas do setor de serviços financeiros adotaram nuvens públicas, abaixo da média de mercado de 24%.

As abordagens variam. O Barclays, um dos maiores bancos do mundo, fechou um contrato de 10 anos com a HPE para usar a plataforma GreenLake como base da sua nuvem privada global.

A decisão veio depois do Barclays fazer uma tentativa de ir para a AWS em 2018, o que acabou não acontecendo.

No Brasil, o Itaú fechou um grande contrato de 10 anos com a AWS em 2021, visando migrar 50% da infraestrutura do banco para a nuvem até o fim deste ano.

Veja também

LÍQUIDO
Vazam dados do Bradesco

Foram afetados 53 mil clientes de financiamentos. Banco diz que não dá nada.

MULTICLOUD
B3: nuvem com Oracle e Microsoft

Bolsa de valores brasileira anunciou projeto de migração de 10 anos.

CONEXÃO
Telefónica usa AWS para 5G no Brasil

Projeto aposta em uma arquitetura híbrida, com nuvem em data centers próprios.

FURO
Mais uma fraude no C6 Bank?

De acordo com Veja, sistema frágil teria permitido fraude de R$ 23 milhões.

NOMES
Ferrigolo, ex-Teradata, está na AWS

Gigante de nuvem traz executivo experiente e com conhecimento de Itaú.

BOLADA
Diretoria do Nubank é a melhor paga do país

Oito diretores levarão R$ 804 milhões em 2022. CTO está junto.