REDES

Riverbed vendida por US$ 3,6 bilhões

16/12/2014 10:43

Fundo que tinha 10% da Riverbed investiu para que a gestão da empresa vendesse o negócio.

Redes são o negócio da Riverbed. Foto: pogonici / Shutterstock

Tamanho da fonte: -A+A

O fundo de investimento Elliot Management ganhou mais uma batalha nesta segunda-feira, 15, quando a Riverbed foi comprada pela Thoma Bravo por US$ 3,6 bilhões, ou US$ 21 por ação.

Desde janeiro o fundo, que tinha 10% da Riverbed, vem forçando a mão para que a gestão da empresa vendesse o negócio.

O Eliott chegou a fazer uma oferta de US$ 19 por ação em janeiro, reajustada para US$ 21 em fevereiro. A estratégia era atrair outras ofertas, o que finalmente aconteceu.

A Riverbed se viu forçada a aceitar a comprada Thoma Bravo em meio à insatisfação dos acionistas com os resultados em 2014 e o consequente temor que a oferta de US$ 21 não fosse ser superada num futuro próximo.

Apesar de ter aumentado as vendas em 22% em 2013, ultrapassando a casa do US$ 1 bilhão, a Riverbed teve uma performance menos empolgante esse ano, crescendo 6% nos primeiros nove meses. O lucro líquido foi de US$ 21 milhões. 

De acordo com analistas de mercado, a empresa ainda está passando por dificuldades para integrar a Opnet, uma aquisição de US$ 1 bilhão feita em 2012 e dúvidas sobre o seu modelo de negócios.

Com o hype em torno das redes definidas por software, empresas de equipamentos de redes estão passando por apertos e a Riverbed não é a líder de mercado como a Cisco ou tem o cacife tecnológico da Arista, avalia o San Jose Mercury News.

O desempenho das ações também já não é o que era. Lançada no mercado por US$ 9,75 a ação em 2006, a Riverbed chegou a ter um pico de US$ 40 em 2011.

Atualmente, o Brasil representa cerca de 3% do faturamento global da empresa. São mais de 100 canais espalhados pelo país, atendendo a clientes como Rede Brasil e Paquetá.

Em maio, a empresa contratou João Paulo Melo, ex-Cisco, como novo country manager da companhia.

A Riverbed não foi a primeira “dobradinha” entre o Eliott e a Thoma Bravo. Meses atrás, a Thoma levou a Compuware por US$ 2,5 bilhões; a Blue Coat por US$ 1,3 bilhão em 2012 e a Novell por US$ 2,2 bilhão ainda em 2010.

Veja também

NEM TODOS SOBREVIVERÃO
CEO da Cisco: vem aí um apocalipse na TI

John Chambers, crítico perspicaz do cenário de TI, não tem previsões muito animadoras para o segmento nos próximos anos.

CONTRATAÇÃO
Ex-Stefanini no RH da Service IT

Carla Rossi atuou por quase dois anos na Stefanini e por quase quatro na Atos.

CONTRATAÇÃO
Neves é o financeiro da Service IT

A meta do profissional é reduzir custos e despesas em 15%.

DISTRIBUIÇÃO
Nutanix fecha com CNT/Arrow e Network1

Empresa montou operação nacional em janeiro.

DISTRIBUIÇÃO
ScanSource: revenda, mas com valor

Pplano é ir além das vendas e ser uma distribuidora de soluções com valor agregado.

PERFORMANCE
Cortel turbina rede com Riverbed

Empresa migrou servidores e aplicações de 13 unidades para a plataforma da multinacional.

MOBILIDADE
MDM Solutions é certificada em AirWatch

A MDM já tinha parceria há cerca de dois anos com a VMware, que comprou a AirWatch.