A expectativa é que a nova linha de atuação renda R$ 42 milhões nos próximos cinco anos. Foto: Maurício Renner.

Tamanho da fonte: -A+A

A Neurotech, empresa pernambucana de software de análise de risco, expandiu sua área de atuação para focar no monitoramento de tráfego marítimo.

É a primeira vez que a Neurotech trabalha usando sua tecnologia sobre dados geo-referenciados. 

A nova área chega por parceria com a canadense GSTS, fornecedora de serviços de monitoramento de tráfego marítimo tradicional. 

O objetivo é que a nova linha de atuação renda R$ 42 milhões nos próximos cinco anos. A título de comparação, todo o faturamento no ano passado foi de R$ 25 milhões.

O software criado pelas empresas calculará estimativas de risco de colisão de embarcações, além de identificar riscos de pesca ilegal, tráfico ou contrabando de drogas, armas, seres humanos, animais e produtos e danos ambientais. 

A empresa visava até agora quatro mercados principais: bancos e financeiras, varejo, seguros e operadoras de telecom. 

“Temos uma atuação forte em risco de crédito mas estamos expandindo as fronteiras para outros setores como este projeto especial de grande porte em conjunto com a GSTS”, explica Paulo Adeodato, sócio responsável pela estratégia de inovação da Neurotech.

O Projeto entre a Neurotech e a GSTS faz parte de um programa bi-nacional Brasil-Canadá e conta com a expertise das duas empresas e do conhecimento acadêmico do Centro de Informática da Universidade Federal do Pernambuco e das Universidades de Dalhousie e de Ottawa, no Canadá. 

O investimento projetado deste programa é de cerca de R$ 3,3 milhões em parte conquistados em editais de instituições de fomento à inovação do Brasil e do Canadá.

Criada em 2000 por um grupo de pesquisadores e alunos da Universidade Federal de Pernambuco, a Neurotech conta com sede em Recife e escritório em São Paulo, com cerca de 140 funcionários e mais de 100 clientes em todo o país.