CONTRATOS

Rimini coloca pezinho no governo

16/09/2020 06:23

Multinacional está oferecendo suporte terceirizado no TST, Câmara de Deputados e Apex.

Edenize Maron, gerente geral para América Latina da Rimini Street.

Tamanho da fonte: -A+A

A Rimini Street, multinacional de suporte terceirizado, colocou um pezinho no governo brasileiro no ano passado, ao fechar contratos com a Câmara de Deputados, Tribunal Superior do Trabalho e Apex Brasil, sempre envolvendo softwares de Business Intelligence.

Nas duas primeiras instituições, o suporte está sendo prestado ao Business Objects da SAP. Na agência de promoção de exportações, o produto é o Hyperion, da Oracle.

A empresa não havia aberto publicamente nenhum dos contratos (muitas companhias optam por não falar em vendas para o governo) mas o CEO da Rimini, Seth Ravin, entregou o jogo durante uma conversa recente com jornalistas brasileiros.

“Fazia tempo que vínhamos tentando ganhar contratos no governo brasileiro. Não foi fácil, mas conseguimos”, afirmou Ravin.

Segundo apontou Ravin, a pressão por corte de custos é um tão ou mais premente no setor público quando no setor privado e terceirizar o suporte de sistemas é uma forma de atender essa necessidade.

Em seu site, a Rimini tem uma lista de clientes do setor público, a maior parte de eles nos Estados Unidos incluindo prefeituras como Baton Rouge e Santa Monica e governos de estado, como da Louisiana e Kentucky.

No Brasil, um problema para a empresa é que o governo usa muito menos software de gestão de fornecedores multinacionais como a SAP e Oracle, para os quais a Rimini oferece suporte. O maior caso de uso é provavelmente o de softwares de BI.

Mas existem setores anexos, como bancos e principalmente empresas públicas de energia, que sim usam software da SAP e Oracle (no caso das estatais de energia, principalmente SAP).

“Essas companhias são grandes usuárias de software corporativo e podem contar com o suporte premium da Rimini a seus sistemas de gestão para melhorar sua eficiência e reduzir significativamente os custos com suporte de TI”, afirma Edenize Maron, gerente geral para América Latina da Rimini Street.

Maron é experiente no setor financeiro, tendo sido vice-presidente para o Sul da América Latina na Software AG e uma passagem de uma década pela SAP, onde sua última posição foi de country manager da subsidiária em Portugal.

Veja também

ECONOMIA
RNA: suporte do SAP ECC é com a Rimini

Fabricante de molas quer cortar custos e optou por terceirizar o suporte do ERP.

SUPORTE
Rimini assume S/4 na gigante mexicana Nadro

É o primeiro contrato de suporte na América Latina para a última versão do ERP da SAP.

PROPOSTAS
Brasscom defende CPMF em troca de desoneração

Pesos pesados do setor de TI no Brasil apresentaram sua visão para impostos.

INFRA
Serpro assume data center da CGU

Órgão do governo federal vai usar o data center do Serpro em regime de colocation.

BRASÍLIA
Serpro troca de presidente

Caio Andrade vai para secretaria, diretor jurídico assume presidência.

TENTATIVA
Ceitec, mais barato aberto que fechado?

Funcionários dizem que fechar custa R$ 300 milhões e que é mais negócio esperar entrar no azul.

BRASÍLIA
Ministério da Economia vai contratar 350

Processo seletivo será simplificado. Vagas são temporárias. Assespro desaprova medida.

APOSTA
Google vai investir US$ 10 bilhões na Índia

Empresa pretende dobrar a presença on-line dos indianos, que hoje é de 500 milhões de pessoas.