E-commerce da C&A quadruplicou em 2020. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A C&A adotou uma solução de gerenciamento de estoque supply chain, da Manhattan Associates, uma multinacional da área.

A varejista foi pioneira no país na adoção Manhattan Active Supply Chain, uma plataforma na nuvem que une produtos da empresa focados no lado de armazenamento e transporte de produtos (WMS e TMS, nas siglas em inglês).

“Estamos acelerando nossa transformação digital, principalmente com a incorporação de mais automação em nossos CDs”, comenta Alan Yarschel, diretor de cadeia de suprimentos da C&A Brasil.

Como muitas outras varejistas, a C&A Brasil está tendo que lidar com uma explosão de vendas online causadas pela pandemia do coronavírus. No caso da empresa, o e-commerce quadruplicou de tamanho em 2020.

A promessa da com o novo produto Manhattan Associates é “total interconexão entre o armazém e o transporte”, em uma “simbiose” e não “integração”.

“Hoje, por exemplo, temos uma mesma tela para WMS e TMS, então todos os processos de inbound e outbound estão ali, o que torna a tomada de decisão muito mais rápida e simples”, aponta Marco Beczkowski, diretor de Vendas e CS da Manhattan Associates Brasil.

Outras pioneiras da novidade sao a Decathlon e L'Oréal. Ao todo, companhias de 10 segmentos em oito países adotaram a novidade. 

A Manhattan Associates é uma empresa discreta, mas é uma líder no nicho de software para a área de supply chain, com 1,2 mil clientes, ações listadas na Nasdaq e um faturamento de US$ 617 milhões no último ano fiscal.

No Brasil, a empresa está presente há três anos, com clientes como Nike, Riachuelo, Raia Drogasil, GPA e DHL.