TOPO

Tânia Cosentino assume Microsoft Brasil

15/01/2019 06:07

Executiva vem da Schneider Electric, onde fez uma carreira de 20 anos.

Tânia Cosentino.

Tamanho da fonte: -A+A

Tânia Cosentino, ex-vice-presidência global de qualidade e satisfação do cliente da Schneider Electric, é a nova presidente Microsoft Brasil.

A executiva substitui Paula Bellizia, promovida para vice-presidente de Vendas, Marketing e Operações da Microsoft América Latina. 

Tânia havia sido promovida para um cargo de nível global na Schneider Electric em outubro do ano passado e estava há quase 20 anos na multinacional francesa de soluções de gestão da energia elétrica e automação, na qual foi presidente da subsidiária brasileira e da América do Sul.

A executiva Tânia era também membro do Conselho Consultivo de Diversidade & Inclusão da empresa.

“Estou muito motivada a fazer parte da equipe da Microsoft Brasil, determinada a contribuir para o crescimento dos negócios, bem como para a aceleração da transformação digital de nossos clientes e parceiros”, afirma Tânia.

A Schneider Electric atua em mercados como residencial, industrial, comercial, data centers, energia e infraestrutura para cidades inteligentes. 

Apesar de não ser exatamente uma empresa de TI, a Schneider Electric parece ter se convertido nos últimos tempos em uma fonte de altos executivos para empresas da área.

Em junho do ano passado, Cleber Morais, presidente no Brasil da Schneider Electric, trocou o cargo pelo posto de country director da Amazon Web Services no Brasil.

Morais não chegou a fazer carreira na empresa: ele estava na posição há pouco mais de dois anos na Schneider Electric, vindo da Bematech. 

Paula Bellizia liderava a Microsoft Brasil desde julho de 2015. Em sua nova posição como vice-presidente de Vendas, Marketing e Operações da Microsoft América Latina, Paula comandará 35 escritórios de 21 países, com mais de 2.000 funcionários e 80.000 parceiros de negócios em toda a região.

A movimentação na Microsoft tem um toque atípico, por envolver duas executivas. Mulheres são ainda relativamente raras no topo de grandes empresas no país - os principais exemplos seriam Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil desde 2013, a própria Paula Bellizia e Ana Paula Assis, que em 2017 se tornou a primeira mulher a ser gerente geral da IBM na América Latina.

Ainda mais raro é (na verdade, a reportagem não lembra de nenhum outro caso) é uma mulher suceder outra num cargo desse nível.

Veja também

CARREIRA
Ex-Microsoft é diretor de vendas da Tivit

Anderson de Almeida Gaspar atuou por 16 anos na Microsoft.

CARREIRA
Mulheres da TI: mais tempo no nível júnior

Com mais de 35 anos, 20,4% das mulheres continuam ocupando papéis de nível inicial.

RH
CA tem 12 semanas de licença paternidade

No Brasil, a companhia oferece às mulheres uma licença de 180 dias (15 semanas).

CARREIRA
Dufrio contrata diretor de inovação

Cristian Basilio já foi gerente de digital e programas estratégicos da Renner.

REFORÇO
Melo, ex-Oracle, está na Microsoft

Executivo assume área responsável por ERP e CRM.

NUVEM
ADTsys capta R$ 10 milhões com BNDES

O financiamento do BNDES corresponde a 80% do investimento total da companhia.

TRAJETÓRIA
Os desafios de ser mulher no mercado de tecnologia

"Hoje, no Brasil, correspondemos a apenas 17% do total de programadores".

RH
SAP avança em igualdade

A SAP Brasil acaba de avançar um degrau na certificação de igualdade de gênero no trabalho EDGE.

GESTÃO
CEO mulher contrata mais mulheres

Quando a presidente de uma empresa é mulher, aumenta a chance de que outras mulheres ocupem cargos de liderança. 

 

UM DIA DEPOIS DO OUTRO
Prado, ex-SalesForce, está na Oracle

Maurício Prado é o novo vice-presidente de vendas da área de Business Aplications.

RECURSOS HUMANOS
Conheça o manual da ThoughtWorks

Empresa é referência em inclusão.