Gilsomar Maia.

A Totvs fechou o terceiro trimestre com uma receita líquida total de R$ 589,6 milhões, uma alta de 4,8% frente aos números do mesmo período de 2017.

O crescimento foi um dos indicadores positivos do trimestre, que também viu uma alta de 83,5% no lucro líquido ajustado, que chegou a R$ 39,5 milhões 

A receita de subscrição, um indicador importante para medir o sucesso da estratégia de migração da empresa para o modelo de Software como Serviço, também teve bom desempenho.

O aumento foi de 26,7% no trimestre e pela primeira vez o indicador ultrapassou a barreira dos R$ 100 milhões, já representando o patamar de 25% da receita total de software. 

“Três anos após o início do processo de migração da Totvs para o modelo de subscrição, os resultados apresentados mostram que a empresa atingiu o ponto de inflexão”, destaca Gilsomar Maia, CFO da TOTVS.

Os resultado parecem ainda melhores na comparação com o balanço geral de 2017,  quando a Totvs cresceu 2%, para R$ 2,2 bilhões.

Já o lucro da companhia caiu 40%, para R$ 93,2 milhões. Em 2015, o valor foi de R$ 194,9 milhões.

Na época, a empresa frisou que os resultados eram relacionados com a mudança no modelo de entrega da companhia, que está migrando de um modelo baseado na venda de licenças para assinaturas, o que prejudica o fluxo de caixa durante a transição.

Os resultados de 2017 foram uma melhora considerável sobre o ano de 2016, quando a empresa teve uma queda de 3,5% na receita líquida total.

Em 2017, a receita com subscrição registrou um crescimento de 34,3% em relação a 2016, atingindo a soma de R$ 307,9 milhões. 

As receitas de manutenção, cobradas sobre as licenças tradicionais de software, subiram 1%, mas ainda são responsáveis por R$ 1 bilhão do faturamento.

A companhia conta com 15 filiais, 52 franquias, 5 mil canais de distribuição e 10 centros de desenvolvimento no Brasil. No exterior, são mais 7 filiais e 5 centros de desenvolvimento (Estados Unidos, México, China, Taiwan e Rússia).