BRASÍLIA

Ministério da Economia vai contratar 350

14/07/2020 12:18

Processo seletivo será simplificado. Vagas são temporárias. Assespro desaprova medida.

Paulo Guedes quer você no Ministério da Economia. Foto: Marcos Corrêa/PR

Tamanho da fonte: -A+A

O Ministério da Economia vai contratar temporariamente 350 profissionais de TI para atuar em projetos de “transformação digital”.

Os candidatos deverão passar por processo seletivo simplificado, a ser realizado dentro de seis meses.

Os aprovados poderão assinar contratos com duração de até quatro anos com o Ministério da Economia, que definirá a remuneração dos profissionais. 

Não há informação sobre quais são os projetos a serem executados. Os perfis a serem contratados incluem especialistas em gestão de projetos, infraestrutura, ciência de dados, segurança da informação, análise de processos, experiência do usuário (UX) e desenvolvimento de software.

A contratação desagradou parte do empresariado de TI. A Assespro, que representa 2,5 mil empresas brasileiras, a maioria de pequeno e médio porte, soltou uma nota pública criticando a decisão, que seria “nociva ao mercado”.

“Seria importante que o governo promovesse um diálogo mais aberto, direto e contínuo com as empresas do setor visando a construção de políticas de compras públicas e contratações mais eficientes para o Brasil”, afirma o presidente da Assespro Nacional, Italo Nogueira.

A Assespro defende que o governo contrate empresas para atender suas necessidades e não profissionais diretamente no mercado.

Nos últimos tempos, a entidade questionou outras decisões do governo federal, principalmente relativas ao Serpro, que desponta como o articulador da nova estratégia de TI de Brasília.

O governo, por sua parte, parece estar ignorando olimpicamente as empresas do setor de TI, ou pelo menos as empresas do perfil representado pela Assespro.

Ela se resume em dois eixos: fazer crescer o Serpro, tornando ele um ativo mais interessante para uma eventual privatização e tornar a estatal uma intermediária para a contratação de gigantes internacionais de computação em nuvem como a AWS.

“Primeiro, veio o Serpro fazer contrato/parceria com as maiores estruturas de empresas multinacionais para venderem para o governo. Depois, vários ministérios fazem acordos e termos de parceria só com os gigantes, para a “Transformação digital brasileira”. Agora vem essa ideia de contratar profissionais diretamente para promoverem essas transformações”, resume Nogueira.

Mais recentemente, o governo passou a negociar descontos no atacado com empresas como a Microsoft, que topou reduzir seus preços em 22%. 

De novo, críticas da Assespro, que falou em "coordenação anticompetitiva de preços por parte dos competidores de maior porte e barreira à entrada de empresas de menor porte”.

Veja também

NOVO NORMAL
Petrobras deve pagar custos de home office

Justiça Trabalhista diz que estatal precisa reembolsar custos de energia, dados e equipamento.

INVESTIDA
Valid entra em ERP para prefeituras

Companhia comprou a Mitra, que tem clientes como São Caetano e Santo André.

APOSTA
Google vai investir US$ 10 bilhões na Índia

Empresa pretende dobrar a presença on-line dos indianos, que hoje é de 500 milhões de pessoas.

CELESTE
Uruguai tem app do coronavírus

País usará tecnologia da Apple e Google com integração da Genexus.

NEGOCIAÇÃO
Microsoft topa desconto de 22% para governo

Grandes companhias de tecnologia estão sendo pressionadas pelo governo a baixar preços.

PANDEMIA
IBM oferece consultoria gratuita para São Paulo

Funcionários da empresa estão fazendo mais de 26 mil horas de voluntariado na América Latina.

CAPTURE THE FLAG
PF encontra hackers de Bolsonaro e militares

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Rio Grande do Sul e no Ceará.

RESPOSTA
Huawei se defende da ameaça de Bolsonaro

Ameaçada de ficar fora do leilão do 5G pelo presidente, chinesa dispara uma longa indireta.

E-COMMERCE
Mercado Livre terá centro na Bahia

Novo CD foca Nordeste. No Sul, segue a briga entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

E-COMMERCE
Santa Catarina acena para Mercado Livre

Tudo parece pronto para centro de distribuição deixar o Rio Grande do Sul rumo a Santa Catarina.

DEU PRA TI
Mercado Livre desiste do Rio Grande do Sul

Rolo tributário gaúcho levou gigante de e-commerce a desistir de abrir CD em Gravataí.

DADOS
Funcionários públicos recebem auxílio emergencial

Tribunais de Contas dos estados do Espírito Santo, Santa Catarina, Ceará e Goiás descobriram fraudes.