Tamanho da fonte: -A+A

A Nokia planeja cortar 10 mil postos de trabalho – 20% do total de empregados – em sua divisão global de celulares após ter perdido participação de mercado para Apple e Samsung.

Entre os efeitos da retração do share está o gasto de recursos de caixa, o que tem alimentado receios sobre o futuro da companhia.

Em um segundo alerta de lucro em nove semanas, a Nokia disse nesta quinta-feira, 14, que o segmento de celulares terá um prejuízo maior que o esperado no segundo trimestre.

O motivo: competição acirrada.

A Nokia, que já foi a maior fornecedora mundial de celulares, não acompanhou o avanço dos smartphones e está se esforçando para competir com Apple, Samsung e Google.

A companhia também está perdendo mercado para telefones mais básicos.

O presidente-executivo da empresa, Stephen Elop, aposta na linha de smartphones Lumia, que roda o pouco usado software da Microsoft, para dar uma reviravolta, mas as vendas do dispositivo têm sido baixas, para a frustração dos investidores.

“Os cortes de postos de trabalho e o alerta de lucro mostram a gravidade do desafio que a Nokia enfrenta, particularmente por causa da competição com Apple e Samsung”, disse o diretor da consultoria CCS Insight, Ben Wood, à agência Reuters.

A Nokia, cujos acionistas questionam cada vez mais a posição de caixa, também disse que os custos de reestruturação serão de aproximadamente 650 milhões de euros nos últimos três trimestres de 2012 e de 600 milhões de euros em 2013.

As ações da empresa finlandesa despencavam mais de 10% nessa quinta-feira, operando abaixo do nível de 2 euros, algo não visto desde 1996.

A ação perdeu mais de 70% de seu valor desde que a companhia anunciou em 2011 a troca de sua plataforma de software para o sistema da Microsoft.

Analistas disseram que, mesmo com a queda drástica do preço das ações, a previsão de piora torna difícil prever até que nível os papéis podem cair.