Alberto Menache. Foto: divulgação.

A Linx, desenvolvedora nacional de soluções para varejo, anunciou nesta segunda, 13, a compra da Big Sistemas, empresa paulista especializada em tecnologias de gestão para o setor de farmácias e drogarias.

Com matriz em Bebedouro, cidade na região de Ribeirão Preto, no interior paulista, a Big Sistemas entra no portfólio da Linx para formar uma vertical específica para atender o segmento de varejo de saúde, com foco em redes de farmácias e drogarias de pequeno e médio porte.

Segundo dados divulgados pela Linx, a Big teve faturamento de R$ 13,4 milhões nos últimos 12 meses. O valor da operação será de até R$ 38,7 milhões. Pela aquisição, a Linx pagará R$ 28,5 milhões à vista, podendo pagar mais R$ 10,22 milhões em 2015 e 2016.

De acordo com Alberto Menache, diretor presidente da Linx, a aquisição da Big Sistemas está alinhada com a estratégia da Linx de expansão nas principais verticais do varejo.

“Queremos consolidar nossa atuação no segmento de Farmácias e Drograrias, que vem crescendo em ritmo acelerado no mercado brasileiro”, completa o executivo.

Segundo projeção do IMS Health, a posição da indústria farmacêutica brasileira no cenário internacional está em expansão e ganhará ainda mais destaque nos próximos anos.

Para 2016, a previsão é que o País ocupe a quarta colocação, atrás apenas dos EUA, China e Japão, e esse cenário de crescimento exige cada vez mais profissionalização na gestão e investimentos em TI.

A aquisição da Big é a segunda da Linx em 2014 e uma das várias realizadas pela companhia nos últimos anos. Em maio a companhia levou a Rezende Sistemas, empresa de Uberlândia, Minas Gerais, com 4,5 mil clientes e faturamento de R$ 18 milhões em 2013.

Segundo fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), serão investidos R$ 49,9 milhões na compra da Rezende, especializada em sistemas para postos de combustíveis, lojas de conveniência e food service.

Em novembro do ano passado, a empresa comprou a  LZT, de Blumenau,  e o software de gestão SSG Premium da Ionics de Florianópolis. O faturamento da LZT em 2012 foi de R$ 7,6 milhões.

Ambas companhias atendiam o mercado de postos de combustíveis. Somadas, ambas compras poderiam totalizar até R$ 42,5 milhões, revelou a Linx na época.

Em março, foi a vez da Seller Corp, empresa com sedes em  Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro também especializada no segmento. O faturamento bruto da companhia em 2012 foi de R$ 9,9 milhões.

A estratégia da empresa de consolidar o mercado de software de gestão para varejo se iniciou, em 2008, com a compra da Quadrant. Depois disso, a Linx adquiriu companhias em diversas verticais do varejo: CSI, Inter-Commerce e Formata em 2009; Dia System e CNP Engenharia de Sistemas em 2010; CustomBS e Spress em 2011; Microvix, Compacta Tecnologia e ativos da Bitix em 2012.

No início deste mês, o BNDES aprovou a liberação de uma linha de crédito de R$ 102,8 milhões para a Linx. Os recursos foram liberados pelo Programa para Desenvolvimento da Indústria de Software e Serviços de Tecnologia da Informação.

A maior parcela, de R$ 98,6 milhões, será utilizada para financiar o plano de investimentos da empresa, contemplando ações em infraestrutura, treinamento e qualidade, pesquisa e desenvolvimento, marketing e vendas.

Outro crédito, de R$ 3,5 milhões, será usado na aquisição de equipamentos nacionais que se enquadrem nos critérios da Agência Especial de Financiamento Industrial - FINAME.

A última parcela, de R$ 741 mil, será aplicada em investimentos sociais.

A Linx atingiu uma receita operacional bruta de R$ 331,3 milhões em 2013, um aumento de 27,9% frente aos números do ano anterior.