Piloto do 5G no Brasil só deve chegar entre o fim de 2021 e começo de 2022. Foto: divulgação.

A TIM anunciou para o mês de setembro o lançamento das suas primeiras redes comerciais 5G no Brasil, tendo as empresas Ericsson, Huawei e Nokia como fornecedoras em três cidades do país.

De acordo com o site Teletime, os municípios escolhidos foram Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, Itajubá, em Minas Gerais, e Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul - três cidades com uma população estimada semelhante, cerca de 96 mil habitantes.

A tecnologia utilizada será a mesma anunciada pela Claro, a Dynamic Spectrum Sharing (DSS), ou Compartilhamento Dinâmico de Espectro.

Isso significa que o serviço oferecido pela TIM vai utilizar frequências já utilizadas pela operadora na oferta das gerações anteriores do serviço móvel, distribuindo recursos dinamicamente entre os smartphones atuais e os novos, que sejam compatíveis com a nova rede.

Cerca de uma semana antes, a Claro anunciou que disponibilizará o serviço inicialmente em regiões das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, em conjunto com Motorola, Ericsson e Qualcomm.

“Aqui, tenho que lembrar que a primeira empresa que ativou o 5G no Brasil foi a TIM, em junho de 2019”, afirmou Pietro Labriola, CEO da TIM, em referência à demonstração experimental realizada pela empresa há um ano em Florianópolis.

A TIM também anunciou que, nos próximos dois meses, três cidades passarão a contar com Fixed Wireless Access (FWA), ou banda larga fixa sem fio. Neste caso, a empresa não especificou se o serviço já terá o nível de serviço 5G, se limitando a descrever o novo produto como “ultrabroadband”.

A operadora ainda pretende levar a cobertura 4G para todos os 5,5 mil municípios brasileiros em um intervalo de três anos, conforme sinalizado durante a assinatura de um  Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) nesta semana.

Até o fim de 2020, o serviço deve estar em 4,1 mil cidades, sendo 3,6 mil em 700 MHz.

A estimativa do ministro Marcos Pontes, que comanda a pasta de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, é de que a implementação de um piloto do 5G no Brasil só ocorra entre o fim de 2021 e começo de 2022.

De acordo com um estudo da consultoria OMDIA, seis verticais serão as mais beneficiadas pela implementação do 5G no Brasil, com aumentos de faturamento em 15 anos: os TICs (US$ 241 bilhões); governo (US$ 189 bilhões); manufatura (US$ 181 bilhões); serviços (US$ 152 bilhões); varejo (US$ 88 bilhões); e agricultura (US$ 76 bilhões).

Nos Estados Unidos e na Coreia do Sul, o lançamento comercial dos primeiros serviços, com as principais operadoras de telefonia móvel, começou a acontecer em abril de 2019.

* Saiba mais sobre a Cobertura TIM.