Número de fintechs falecidas dobrou em relação ao ano anterior. Foto: Pixabay.

Um total de 47 fintechs fecharam no Brasil entre agosto de 2018 e julho deste ano, quase o dobro das 23 que encerraram operações no período coberto pelo levantamento anterior do Radar Fitechlab.

Apesar do aumento do índice de mortalidade, mais fintechs estão sendo abertas do que estão sendo fechadas no país: a cifra total aumentou de 453 para 604, um aumento de 151 empresas, um salto de 33%.

O montante total de 604 compreende a soma de fintechs propriamente ditas e plataformas dedicadas à eficiência financeira. 

O trabalho considera como fintechs as empresas ou iniciativas que trazem novas abordagens e modelos de negócios em serviços financeiros e são escaláveis principalmente através de tecnologia. 

Já as iniciativas classificadas como de eficiência financeira são organizações que atuam por meio de bureaus de informações, soluções de prevenção à fraude, biometria, blockchain, analytics, além de outras tecnologias e serviços que apoiam e trazem maior agilidade e praticidade ao mercado financeiro.

A avaliação do FintechLab sobre a evolução do mercado é positiva. 

“As autoridades reguladoras estão se mostrando muito propensas a avançar em normas e procedimentos que garantam maior segurança jurídica e estimule a competição no sistema financeiro. Os investidores, por sua vez, identificam a capacidade das fintechs em explorar as ineficiências do sistema financeiro”, afirma o cofundador do FintechLab, Fábio Gonsalez.

O também cofundador do FintechLab, Marcelo Bradaschia, os consumidores já começam a se sentirem mais seguro em trabalhar com essas marcas novas e isto fortalece a posição das fintechs na concorrência com as instituições tradicionais.

“A perspectiva é de que o consumidor passe a experimentar as ofertas disruptivas cada vez com maior apetite a partir dos próximos anos”, diz Bradaschia.

A análise individual sobre o desempenho das diversas modalidades mostra que o setor de pagamentos manteve sua posição como principal motor do crescimento do ecossistema fintech brasileiro. 

O segmento reunia 106 empresas e passou a contar com 151 indicando um aumento de 43% em quantidade de representantes. Com este desempenho, o setor saltou dos 26% que possuía no ano passado em termos de participação no total de fintechs brasileiras para 29% na edição atual.

O bloco de iniciativas dedicadas a conceder empréstimos apresentava 70 logomarcas e saltou para 95, revelando uma expansão de 36%. Com este incremento as fornecedoras deste tipo de serviço chegaram à marca de 18% do total de fintechs do país.

As fintechs de investimento por sua vez obtiveram o maior crescimento percentual entre todas as categorias na edição 2019 do Radar FintechLab. 

Com a inclusão de 19 novas marcas o segmento passou das 24 fintechs em 2018 para 38 na edição atual e cravou uma evolução de 59% no período

Praticamente no mesmo ritmo de evolução aparecem os bancos digitais que passaram de 8 em 2018 para 12 agora, crescendo 50%.

O Fintechlab é um hub para conexão e fomento do ecossistema de fintechs nacional. Ele apoia a inovação nos serviços financeiros através da divulgação de conteúdo, exposição de iniciativas, eventos e matchmaking.