Será que vai dar certo? Foto: www.flickr.com/photos/rednuht/

O governo federal deve anunciar na semana que vem medidas visando estimular o investimento em aberturas de capital de empresas de menor porte, uma movimentação potencialmente benéfica para o setor de TI nacional que conta com poucas companhias de capital aberto.

Hoje, apenas Totvs, Bematech, Linx e Senior Solution tem ações negociadas na Bovespa.

Segundo revela o Valor Econômico, a área econômica do governo entende que fraco desempenho da economia no primeiro trimestre se deve às restrições ao crédito e decidiu desengavetar medidas visando o mercado de capitais.

A principal delas é isenção do imposto sobre ganho de capital para investidores que comprarem ações de empresas médias, com faturamento anual de até R$ 500 milhões, negociadas na bolsa de valores.

Também devem ser feitas alterações na forma de recolhimento do imposto de renda sobre os ganhos obtidos por pessoas físicas na negociação com ações. 

De acordo com fontes envolvidas nas negociações ouvidas pelo Valor Econômico, o benefício tributário para investimento em médias empresas será restrito a emissões primárias, ou seja, à colocação de ações em mercado que tenham como objetivo captar recursos para financiar o crescimento dessas companhias.

O BNDES também deve entrar com dinheiro. Em abril, o banco de fomento anunciou  planos de investir R$ 1 bilhão nos próximos cinco anos em ações de empresas de menor porte. Os recursos seriam usados para comprar 20% das ações de quem abrir capital.

No ano passado, chegou a circular a informação que o BNDES estudava a criação de um novo setor na bolsa de São Paulo destinado para as empresas de tecnologia, similar ao que acontece com a Nasdaq.

Além de estimular a economia, parte da preocupação do governo pode ser propocionar uma porta de saída para os investimentos feitos pelo BNDESPar nos últimos anos.

No total, o BNDES tem participação em cerca de 30 empresas do segmento de tecnologia, como Padtec, CI&T, Teikon, entre outras.