Antonio Carlos Valente. Foto: divulgação

A Vivo encontrou uma alternativa para expandir o número de estações radio-base e reforçar a cobertura de seu sinal em Porto Alegre e firmou com a prefeitura da capital gaúcha um acordo para a instalação de doze sites sustentáveis.

Segundo informações da Vivo, a operadora foi a única a receber licença do município para a instalação destas antenas, que serão colocadasem postes em diversos pontos da capital, com foco especial em pontos que terão alta concentração de pessoas durante a Copa do Mundo.

De acordo com a assessoria da operadora, a previsão de funcionamento das novas estações é para os próximos trinta dias e o contrato com a prefeitura é de doze meses.

“A prefeitura fez um chamamento público a todas as operadoras para que apresentassem suas soluções inovadoras para melhorar suas coberturas e o nosso projeto foi aprovado”, destacou Antonio Carlos Valente, presidente da Telefonica Vivo, um dos palestrantes no primeiro dia da BITS, em Porto Alegre.

Contatadas pela redação do Baguete, Oi, TIM e Claro não comentaram sobre o assunto até o fechamento desta matéria.

Conforme explica Valente, o projeto das ERBs sustentáveis é uma continuação da iniciativa realizada pela Vivo em 2012 na orla da praia de Copacabana , no Rio de Janeiro. Segundo o presidente, a operadora agora conta com estações em diversas cidades ao redor do país.

A ideia com este novo tipo de instalação é o de substituir as antenas tradicionais de celular por uma infraestrutura subterrânea de baixo impacto visual e consumo reduzido de energia, ligadas a postes convencionais de iluminação pública.

Originalmente, o plano da prefeitura era a instalação de dez novas estações para cada operadora. No entanto, até o momento só a Vivo obteve a liberação.

Segundo Clenir Wengenovicz, diretora regional Sul da Telefonica Vivo, as ERBs sustentáveis serão localizadas no entorno de locais como o estádio Beira-Rio, aeroporto e locais onde serão realizadas as festas oficiais da Copa (Fifa Fun Fest).

Para Valente, este avanço, mesmo que um esforço ligado à Copa, mostra que a prefeitura portoalegrense tem em sua agenda a revisão da lei de antenas de telefonia, uma lei que está defasada.

Depois de passar 2013 com muitas discussões, mas poucos avanços práticos, um projeto de lei do Poder Executivo foi enviado para a Câmara de Vereadores, com votação prevista para esta semana.

O novo texto conta com contribuições das operadoras em conjunto com apontamentos levantados pela CPI da Telefonia Móvel, realizada em novembro do ano passado.

Para Valente, a legislação municipal é fundamental para a expansão das redes de telefonia, que no país já se encontram em um gargalo de tráfego.

Segundo dados da Anatel, em 2013 o país chegou a 271,1 milhões de linhas de telefonia móvel ativas, o que representa um crescimento de 3,55% na comparação com o ano anterior - ou 9,92 milhões de adesões ao longo do ano.

“O governo discutiu a formulação de uma lei federal de antenas, mas ainda assim o licenciamento é feito pelas cidades. Existem casos que uma liberação pode durar anos”, diz Valente.

Segundo dados do Teleco, a Vivo lidera o market share nacional de operadoras móveis, com 28,68%. A Tim é a segunda operadora com mais clientes, atraindo 27,02% do mercado. A Claro fica com o bronze, com 25,13%, e a Oi ocupa um share de 18,49%.