Funcionários em call center. Foto: Divulgação.

A Vikstar, uma das maiores empresas de call center do país, parece estar passando por problemas financeiros.

Segundo revela uma matéria da Folha de São Paulo, 8 mil funcionários da empresa que trabalham com atendimento ao cliente para a Vivo estão com salários atrasados.

Nesta segunda-feira, 12, sindicatos do setor de telemarketing em São Paulo, Piauí e Paraná anunciaram indicativo de greve e começaram a discutir a realização de paralisação.

De acordo com a Folha, a Vikstar diz que não depositou os salários no dia 7 (o quinto dia útil do mês) porque a Telefônica, controladora da Vivo, não fez o pagamento dos valores devidos.

Já a Telefônica, por sua parte, afirma que o contrato de prestação de serviços com a Vikstar foi encerrado, mas que os pagamentos foram feitos. 

A operadora também revelou as condições financeiras do ex-fornecedor, ao afirmar que a decisão de encerrar o contrato foi influenciada pela “deterioração financeira” da Vikstar, que poderia afetar a operação e qualidade do atendimento aos clientes da Telefônica.

A reportagem da Folha apurou que a Vikstar vinha enfrentando dificuldades financeiras pelo menos desde 2019, quando perdeu contas importantes. No ano passado, a empresa já tinha atrasado o pagamento do 13º salário.

Também em 2020, o Sintratel (Sindicato dos Trabalhadores em Telemarketing em São Paulo) precisou ir à Justiça do Trabalho para que funcionários demitidos entre julho de 2019 e janeiro de 2020 recebessem as verbas rescisórias e as multas pelo atraso no pagamento.

Os problemas trabalhistas da Vikstar teriam pesado na decisão da Vivo pelo rompimento do contrato, revela a Folha. O temor da operadora seria ser considerada responsável pelos pagamentos de verbas salariais caso a intermediária não cumpra suas obrigações.