Keiji Sakai, diretor geral da R3 no Brasil. Foto: Divulgação.

A R3 contratou um diretor geral no Brasil. A empresa passa a ser liderada por Keiji Sakai, vindo da B3 (antiga Bovespa).

Na B3, Sakai foi o diretor responsável pelo programa de integração da BM&FBovespa e CETIP. 

O executivo tem 30 anos de experiência na área de tecnologia da informação. Ele atuou como diretor de TI em inúmeras multinacionais financeiras no Brasil, incluindo os bancos JP Morgan, HSBC, Deutsche Bank e Unibanco. 

Sakai também liderou o grupo de trabalho de blockchain da Febraban, que inclui bancos e câmaras de liquidação atuando em parceria com o Banco Central para acelerar a adoção da tecnologia no mercado brasileiro. 

A R3 tem como parceiras grandes instituições brasileiras, incluindo Bradesco, B3 e Itaú. O Brasil é um mercado considerado fundamental para a R3, que busca estabelecer o sistema Corda como a plataforma de blockchain de escolha de empresas em toda a América Latina. 

A plataforma foi desenhada especificamente para atender negócios que operam em mercados com um ambiente regulatório complexo. Ela oferece acesso a uma rede de aplicações de blockchain para o setor financeiro e de comércio. 

"Corda tem sido muito bem recebida no Brasil, com o apoio de algumas das maiores e mais influentes instituições financeiras e regulatórias do país. É um prazer receber o Keiji e estamos animados para trabalhar com ele na consolidação da plataforma Corda entre os bancos e outros negócios no país", afirma David Rutter, CEO global da R3.

O escritório do R3 Brasil fica no InovaBra habitat, espaço de coinovação do Bradesco lançado em fevereiro.

A R3 tem mais de 140 colaboradores em nove países. A empresa é mantida por um investimento de mais de US$ 107 milhões feito por mais de 40 empresas.