Spencer Gracias.

Spencer Gracias, ex-diretor da divisão de Serviços Globais de Tecnologia da IBM na Cidade do México, acaba de assumir a posição de CEO para América do Norte e Ásia-Pacífico da Stefanini.

O novo CEO substitui Antonio Moreira, que abriu as operações americanas da Stefanini ainda em 2001. 

Gracias é brasileiro e fez uma carreira diversificada na IBM, incluindo passagem por diversos países e administração de grandes contas em nível latino. americano como Whirpool, CPFL e General Motors.

"Queremos estreitar cada vez mais a relação com nossos clientes, compreendendo seus principais desafios para atuar em parceria, oferecendo soluções que atendam os seus objetivos de negócios”,  afirma Gracias. 

O executivo ficará baseado em Detroit, na sede da Stefanini na América do Norte. 

No mês passado, a Stefanini anunciou investimentos na América do Norte e na Ásia-Pacífico com o objetivo de crescer 25% nessas regiões até 2020. 

“Estou certo de que Spencer Gracias tem capacidade, experiência e energia para colocar em prática esse plano de crescimento”, disse Marco Stefanini, fundador e CEO global da Stefanini. 

A nova sede da Stefanini em Detroit contará com o primeiro Inovation Center da companhia nos Estados Unidos, onde a empresa já tem sete escritórios, localizados em Atlanta, Chicago, Nova York, Houston, Filadélfia, Richmond e Davenport, somando 2,5 mil funcionários (no Brasil a empresa tem 12 mil e em todo mundo 21 mil).

"A América do Norte é o maior mercado consumidor de tecnologia no mundo e um dos grandes promotores da inovação”, afirma Marco Stefanini.

A Stefanini fez um investimento nas suas operações norte americanas em 2010, ao adquirir a consultoria local TeachTeam por  R$ 94 milhões, e Stefanini afirma que outra aquisição pode surgir ainda no futuro.

Internacionalização dos negócios é o nome do jogo faz tempo na Stefanini.

No começo do ano passado, Stefanini deu uma entrevista ao site Nearshore Americas revelando uma meta de aumentar o faturamento vindo do exterior de metade do faturamento para 75% da receita em até cinco anos.

A Stefanini fechou o ano passado com um faturamento de R$ 2,6 bilhões, a mesma cifra obtida em 2015.

Para 2017, a expectativa é de um desempenho melhor, de crescimento orgânico de 10% a 12% e, incluindo novas compras, de aumento de até 20% no faturamento.