Empresas estão mais preocupadas com a segurança, mas o número de ataques aumento. Foto: flickr.com/photos/carbonnyc.

Um estudo divulgado pela PriceWaterhouse divulgou que as empresas de tecnologia de informação tiveram um aumento considerável em seus gastos com segurança em 2013: cerca de 51%.

De acordo com o levantamento da PwC, o gasto médio das companhias ficou em US$ 4,3 milhões, o que ainda é um número baixo em comparação com os investimentos totais em TI feito pelas empresas - cerca de 3,8%.

A consultoria entrevistou representantes de 9,6 mil companhias distribuídas em 115 países. No Brasil, foram ouvidas 700 empresas.

No Brasil, o investimento é tímido, conforme aponta a PwC. De acordo com a empresa, mais da metade das empresas ouvidas no país - cerca de 55,3% - gastou menos de US$ 1 milhão no ano.

Se os investimentos subiram, os ataques também: em média, cada empresa foi vítima de 3.741 incidentes em 2013, um incremento de 25,1% em relação a 2012, quando foram registrados 2.989.

No Brasil, a número de incidentes supera a média global, crescendo 138%, para 4.665 incidentes. 

"O país, tradicionalmente, apresenta um índice maior que a média global", disse Edgar D'Andrea, sócio da PwC Brasil, que destaca China, Índia e Rússia como "celeiro de hackers".

De acordo com a PwC, em média, as companhias no mundo tiveram uma perda de US$ 531 por ataque. Os principais alvos são as indústrias farmacêutica (20%), de serviços financeiros (9%) e de tecnologia (9%), que tiveram perdas superiores a US$ 10 milhões no ano.

Não por acaso, uma parcela significativa dos incidentes originou-se em funcionários (31% dos casos no Brasil e no mundo) ou ex-funcionários (33% no Brasil e 27% no mundo).