Maquininhas com os dias contados? Foto: flickr.com/photos/annapickard

A Rede Multisserviços de Tecnologia, de Porto Alegre, lançou o Xcardweb, um novo sistema de pagamento de cartões de crédito via internet.

Segundo a empresa, o diferencial do novo aparelho é a abolição da linha telefônica e das famosas maquininhas Pinpad-POS para realizar as transações, utilizando uma API e acesso à internet banda larga ou sem fio para as operações.

O sistema opera de forma semelhante ao uso de cartões de crédito nas compras online. Não há a necessidade de inserir senha, somente os dados do cartão de crédito.

A verificação de segurança é feita pela própria operadora do cartão, assim como é feita nas compras via internet.

VANTAGENS
"O estabelecimento pode comandar transações pelo computador, smartphone ou tablet. É possível realizar cobranças diretas,ou cobranças remotas via e-mail, onde o cliente pode efetuar o pagamento sem sair de casa e sem divulgar os dados do seu cartão de crédito", explica a empresa em comunicado.

Conforme explica a companhia, o sistema é totalmente web, gerenciado via navegador, sem a necessidade de instalar softwares. Com o baixo custo operacional, sem a necessidade de hardware, não há taxa de adesão.

O serviço será cobrado por uma taxa fixa mensal, cobrada de acordo com o volume de transações. A empresa não revela os preços.

O Xcardweb foi desenvolvido em plataforma .Net, com transações financeiras realizadas um gateway web das operadoras de cartões de crédito. A empresa conta com cerca de cem homologações das operadoras de cartões. Os dados são criptografados e trafegam em protocolo SSL.

AS TAIS MAQUININHAS
As famosas máquinas de cartão de crédito são objetos de amor e ódio dos lojistas. Quem afirma isso é o presidente do Sindilojas de Porto Alegre, Ronaldo Sielichow.

Ao mesmo tempo que as transações por cartão evitam o acúmulo de dinheiro físico em caixa e atraem mais clientes pelas facilidades que o sistema traz, como parcelamento das compras, elas vem acompanhadas de tarifas que variam de 4% a 7% para o crédito, afirma Ronaldo.

Junto às tarifas, os lojistas também precisam arcar com as despesas de aluguel das maquininhas, a chamada "taxa de conectividade", segundo revela o presidente do Sindilojas, que não divulgou valores.

Ao saber do XCard, Ronaldo preferiu não comentar o sistema, alegando não saber maiores informações sobre o produto.

No entanto, quando fez a comparação com as máquinas tradicionais, ele salientou a importância da segurança nestas transações.

"Hoje em dia, todas as transações por cartão estão exigindo o uso de senhas para aumentar a privacidade dos dados, coisa que ainda não é obrigatória nas operações de cartão de crédito via internet", destaca.

A adoção crescente do comércio eletrônico pelo consumidor brasileiro mostra que a preocupação com segurança não tem impedido gastos cada vez maiores online.

No primeiro semestre  5,6 milhões de pessoas fizeram sua primeira compra online, somando 37,6 milhões de e-consumidores, com um gasto total de R$ 10,2 bilhões, alta de 21% frente aos números do mesmo período do ano anterior. A expectativa de crescimento para o segundo semestre é de 20%, com faturamento de R$ 22,5 bilhões.

EXPECTATIVA
A fornecedora da solução ainda não tem números de valores movimentos pelo sistema, em razão do pouco tempo de mercado da novidade, assim como não divulgaram números quanto à expectativa de faturamento e número de operações para o XCard.

No entanto, a expectativa é boa, conforme destaca a gerente administrativa e financeira da Rede Multisserviços, Joseline Radünz.

"Estamos com boa aceitação tanto por clientes finais, quanto por empresas que buscam parceria para realizar a integração do aplicativo através de API", explica.