Germano Couy. Foto: divulgação.

A Acer, empresa já conhecida no mercado de notebooks no país, agora quer estabelecer a sua marca no disputado segmento de tablets, lançando seus primeiros modelos nas lojas brasileiras.

Com fabricação local no Brasil e 85 funcionários em sua operação, a fabricante taiwanesa prepara o lançamento de seu primeiro dispositivo, de olho na faixa de entrada para conquistar os consumidores.

Segundo destaca o Valor, o primeiro modelo é um aparelho de 7 polegadas, com processador da Intel, que chega às lojas nesta quarta-feira pelo preço de R$ 499. A empresa não dá detalhes, mas a produção ficará a cargo de uma montadora sob demanda no interior de São Paulo.

Este é o primeiro tablet da empresa com produção local, o que permite um preço mais competitivo, segundo destaca a companhia. A Acer já vendia dois modelos no país, mas que chegavam ao mercado via importação.

"Estamos buscando redução de custo e escala para oferecer um produto acessível e de qualidade. E para isso é preciso ter produção local", afirmou Germano Couy, presidente da fabricante no país, ao jornal.

Antes de assumir o cargo na Acer, Couy estava à frente da unidade de mobilidade da Positivo Informática, e conduziu a entrada da fabricante na área de smartphones, uma experiência que pode ser útil para a cartada da empresa taiwanesa.

Com o mercado global de PCs em queda de vendas, a Acer está acelerando sua operação de tablets no Brasil para acompanhar o rápido crescimento nas vendas que o mercado local vem registrando.

A expectativa é que em 2014 as vendas de tablets cresçam 35%, chegando a 10,7 milhões de unidades comercializadas, ultrapassando a estimativa de 8,4 milhões para a venda de PCs.

Com a presença de marcas globais como HP, Samsung e Apple, e locais como Multilaser e Positivo, a disputa se concentrará especialmente nos dispositivos menores, de 7 polegadas, e preços na faixa entre R$ 300 e R$ 500.

Entretanto, a empresa não deve deixar de lado os computadores pessoais. Para o ano que vem, a meta é entrar em categorias que a companhia ainda não atuava, como os desktops do tipo tudo em um e foco em empresas de pequeno porte.

"Os sinais são de que o mercado de PCs parou de cair. E podemos avançar investindo em áreas que ainda não atuávamos", disse o executivo ao jornal.