Marco Stefanini, CEO global do Grupo Stefanini. Foto: Divulgação.

A Stefanini lançou uma nova empresa, que será o braço de telecomunicações do Grupo. Sob a liderança de João Mota, ex-presidente da Portugal Telecom Inovação Brasil, a Inspiring tem o objetivo de agregar valor às relações entre os clientes e as operadoras.

O lançamento da Inspiring marca a terceira grande movimentação da multinacional brasileira, que esse ano se uniu à IHM Engenharia e Tema Sistemas, essa última para criar a joint-venture Stefanini Capital Market. 

A união com a IHM é especializada em projetos de automação industria, enquanto a joint-venture com a Tema é focada em oferecer soluções para o mercado financeiro que garantam mais agilidade no acesso à informação e no controle dos back-offices.

“A Inspiring completa a nossa oferta end to end para o setor financeiro, que passa a contar com soluções inovadoras da Stefanini, Inspiring, Orbitall e Stefanini Capital Market”, afirma Marco Stefanini, CEO global do Grupo.

A nova empresa irá atuar em campanhas de fidelização, rastreabilidade, microtransações e integração de sistemas de telecomunicações.

“Já estamos trabalhando com uma grande operadora em campanhas de fidelização. Além do setor de telecom, estamos com grandes oportunidades nos segmentos bancário, industrial e comercial”, destaca João Mota, presidente da Inspiring.

Segundo a empresa, as soluções são interligadas e constroem a base para uma oferta focada na construção de um relacionamento sólido e de longo prazo entre as empresas e seus clientes.

“A oferta de uma plataforma de integração de canais de venda e de relacionamento contempla todo o ciclo de vida do cliente, tanto do ponto de vista de marketing quanto de vendas”, ressalta Wander Nogueira, da Business Consulting da Stefanini.

De acordo com João Mota, as soluções da Inspiring serão oferecidas em outros países onde a Stefanini atua, iniciando pela América Latina e, posteriormente, chegando à Europa.

Mota foi CEO da Portugal Telecom Inovação Brasil por quase oito anos. Durante seu tempo na empresa, onde entrou em 1989, passou por cargos como COO e diretor de desenvolvimento de negócios.

A Stefanini fechou 2014 com um faturamento de R$ 2,35 bilhões, uma alta de 11% frente ao ano anterior, e prevê manter o mesmo ritmo em 2015.

Assim, ficaram adiadas para “2017 ou 2018” as metas da companhia de chegar ao final de 2016 faturando R$ 4 bilhões, divulgadas no final de 2013.