Felipão: "Calma pessoal, eu sou um só". Foto: Site/CBF.

Luiz Felipe Scolari, o notoriamente turrão e conservador técnico da seleção brasileira, terá a sua disposição tecnologias de big data e software analítico da IBM para analisar as opiniões dos torcedores brasileiros durante a Copa das Confederações.

Se quiser, o que parece bem difícil de acontecer, Felipão poderá acessar o aplicativo Ei!, no qual a multinacional condensará insights de usuários do Twitter em estatísticas e gráficos que ilustrarão os comentários sobre os temas como performance individual dos jogadores, desempenho da equipe, da comissão técnica e do árbitro antes, durante e após os jogos.

Parte dos resultados desta análise de sentimentos dos tuítes dos torcedores poderão ser vistos durante a transmissão da Band, parceira da IBM nesta ação. Uma pressão extra para o atacante Neymar começar a mostrar o futebol esperado.

“Reunimos Twitter e futebol, paixões que fazem parte da vida dos brasileiros, para mostrar como a explosão de dados pode ser valiosa para ajudar líderes a tomarem as melhores decisões. Basta tuitar para que todo brasileiro fanático por futebol possa ser ouvido por quem realmente interessa: o nosso técnico”, explica Claudio Pinhanez, gerente do Laboratório de Pesquisas com foco em Sistemas de Serviços da IBM Brasil.

A expectativa é analisar até 5 milhões de tuítes por jogo. “Só para dar uma dimensão, a final do Campeonato Paulista, entre Santos e Corinthians, gerou quase 500 mil tuites ao longo de três horas”, compara o pesquisador.

Algoritmos foram criados pelo time do laboratório de pesquisas da IBM para identificar, filtrar e analisar todos os comentários em português do Twitter sobre a seleção, independente de hashtags.

O Ei! está hospedado na plataforma de cloud pública da IBM, o SmartCloud Enterprise (SCE).

TWEETS
A IBM tem investido na aplicação das suas tecnologias analíticas sobre os dados disponibilizados no Twitter.

Recentemente, a The Economist divulgou que o centro de tecnologia da IBM em San José, na Califórnia, trabalha em tecnologia que permitirá segmentar os usuários do Twitter de acordo com cinco dimensões da sua personalidade, com o objetivo de vender os dados para empresas de marketing direto.

A IBM já analisa uma base de dados formada por três meses de tweets de 90 milhões de usuários da rede de microblog. A partir deles é possível  determinar vetores de personalidade em extroversão, vontade de agradar, conscienciosidade, neurotismo e abertura a novas experiências.