Alagoas contratou a Service IT para cumprir as novas regras da Secretaria do Tesouro. Foto: Divulgação.

A Secretaria de Estado da Gestão Pública de Alagoas (Segesp-AL) firmou um contrato com a Service IT para o desenvolvimento e implementação de uma plataforma de gestão para controle do patrimônio mobiliário e imobiliário, bem como o gerenciamento e controle dos almoxarifados e das demandas de compras do estado.

O objetivo era cumprir as novas regras contábeis estipuladas pela Secretaria do Tesouro Nacional, que determinam que cada um dos estados envie sua contabilização de patrimônio à Secretaria da Fazenda (Sefaz).

Ao adotar uma plataforma automatizada para a gestão do patrimônio mobiliário e imobiliário, Alagoas espera alcançar uma padronização na execução de processos internos, maior confiabilidade em sua contabilidade, simplicidade na análise da depreciação e facilidade no dimensionamento dos recursos alocados em bens e imóveis, como também a emissão de diversos relatórios para gestão.

A Service IT dedicou mais de 22 colaboradores ao projeto, implementado antes dos 180 dias estipulados como prazo de entrega pelo cliente. A aplicação foi desenvolvida em linguagem Java, integrada a um banco de dados Oracle.

Inicialmente, foi realizado o mapeamento do legado e matriz de responsabilidades para identificar os processos existentes e definir as funcionalidades necessárias para atendimento às normas, com base na metodologia de Business Process Model and Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio.

Numa segunda etapa, a Service IT deu início ao desenvolvimento da aplicação automatizada composta pelos dois módulos que haviam sido previstos pela Segesp-AL: Gestão de Patrimônio Mobiliário e Gestão de Patrimônio Imobiliário.

O sistema possibilita ao estado saber quais são seus bens, onde eles se localizam utilizando a tecnologia de georreferenciamento (tecnologia implementada e sugerida pela Service), a quais secretarias pertencem, a descrição e os valores comerciais atualizados dos imóveis, garantindo a transparência preconizada pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em seguida foram desenvolvidas duas funcionalidades-chave para o processo contábil. A primeira, Gestão de Demandas, permite centralizar todas as solicitações de compra e possibilitará à Amgesp promover licitações únicas, gerando economia de recursos do estado e a criação de um banco de referência de preços para as negociações. 

A segunda, Controle de Materiais, que padroniza a entrada e saída de materiais de todas as secretarias em um sistema único, permitindo a gestão de estoque e a previsão de demanda futura. Seguindo a metodologia PEPS (Primeiro que Entra; Primeiro que Sai) em substituição ao cálculo do valor médio o sistema adequa o controle de materiais também à nova contabilidade, permitindo uma melhor avaliação para reposição, ou mesmo evitar aquisições se for possível direcionar materiais que sobrem em um órgão para outro.

“Nossos colaboradores criaram recursos que não haviam sido previstos no escopo inicial do cliente. A experiência deu origem a uma solução que passa a integrar nosso portfólio para apoiar outras instituições públicas e privadas a realizar a convergência e uma melhor gestão contábil, para seu próprio controle e para a prestação de contas”, anuncia Eduardo Gallo, presidente da Service IT.

O próximo passo do governo de Alagoas a partir da adoção da nova plataforma por todas as secretarias será a elaboração de legislação estadual que oficialize os procedimentos adotados, além das normativas federais já atendidas.

Fundada em 1995 em Porto Alegre, a Service IT é uma empresa especializada em consultoria e prestação de serviços customizados na área da tecnologia da informação, que concilia hardware, software e serviços. 

A companhia mantém parcerias de negócios com companhias como IBM, Oracle, EMC, VMware, AirWatch, Red Hat e Riverbed.

Em setembro, a Service IT anunciou que esperava um novo recorde para seu faturamento anual. Em 2014, a expectativa era chegar pela primeira vez à casa dos R$ 100 milhões, que significa um crescimento de quase 50% em relação aos R$ 70 milhões contabilizados em 2013.