Symantec vende Veritas. Foto: divulgação.

Depois de meses de especulação, a Symantec confirmou nesta terça-feira, 11, a venda da Veritas, sua unidade de tecnologias de storage, para o fundo Carlyle Group por um total de US$ 8 bilhões.

Segundo reportou a Bloomberg, o acordo envolve o Carlyle Group e o fundo de Singapura GIC, com previsão de ser completado até o final do ano. De acordo com analistas, é a maior aquisição liderada por uma empresa americana, ultrapassando a compra da Informatica Corporation, adquirida em abril por US$ 5,3 bilhões.

Com a transação, a empresa de cibersegurança conseguiu reavar mais da metade do valor que investiu ao comprar a Veritas em 2005, em um negócio de mais de US$ 13 bilhões.

Bill Coleman, fundador da BEA Systems será o novo CEO. Bill Krause, executivo do Carlyle que anteriormente foi CEO da 3Com, será o presidente do conselho administrativo da Veritas.

Com a venda, a Symantec consegue uma esperada injeção de capital para revitalizar os negócios de seu carro-chefe, que é a parte de software de segurança. Recentemente, ataques aos softwares da marca mancharam a presença da empresa no mercado.

De acordo com o analista da FBR Capital Markets, Daniel Ives, a empresa precisava de fundos para revitalizar seus produtos de segurança e responder aos problemas sofridos nos últimos meses.

"A Symantec teve pequenos lampejos de boas notícias, com atualizações de produtos e reduções de custos, mas os problemas de crescimento que eles tiveram foram enormes. Eles realmente investiram mal ultimamente em cibersegurança", avaliou Ives.

No ultimo resultado trimestral da empresa, terminado em junho, as vendas da Symantec caíram 14%, fechando em US$ 1,5 bilhão, ficando abaixo da expectativa dos acionistas, que era de US$ 1,53 bilhão.

De acordo com a Symantec, cerca de 75% das empresas da Fortune 500 usam a suite de tecnologias da Veritas, com recursos de backup e recuperação, gerenciamento de storage e controle de desastres de dados.

A venda da Veritas se junta a outras movimentações que vem agitando a Symantec nos últimos anos. No ano passado, a empresa fez sua segunda troca de CEO em dois anos, com a saída de Steve Bennett.

No Brasil, a companhia também teve diversas mudanças, principalmente na sua estrutura de profissionais. Em 2014, saíram da Symantec o country manager Wagner Tadeu (hoje na Pure Storage) e o vice-presidente da área de consumer da companhia Fabiano Tricarico (hoje na McAfee), além do diretor de canais Paulo Vendramini (hoje na Allen).

As trocas não se limitaram ao quadro de executivos. A empresa, renovou 60% da equipe com 30 profissionais oriundos de companhias como IBM, EMC, Dell e Telefônica.

Para completar, Sérgio Chaia, ex-presidente da Nextel que assumiu a subsidiária brasileira da Symantec em março de 2014, saiu da companhia de fininho em maio deste ano, colocando um grande ponto de interrogação sobre o futuro da companhia no Brasil.