Paulo Vendramini era o último da velha guarda.

É oficial. Não sobrou ninguém da velha guarda entre os altos executivos da Symantec no país. O diretor de canais Paulo Vendramini, na empresa desde 2005, acaba de abandonar a empresa.

A informação é de fontes de mercado ouvidas pelo Baguete e foi confirmada pela multinacional.

A saída de Vendramini já era esperada pelo mercado, uma vez que a Symantec vem promovendo uma verdadeira revolução na sua estrutura no país desde julho do ano passado.

No período, saíram o country manager Wagner Tadeu [hoje na NetApp] e o vice-presidente da área de consumer da companhia Fabiano Tricarico [hoje na McAffe],

Cargos médios também entraram nos cortes, incluindo Moreno Goes, diretor de vendas para a área de governo e educacional da Symantec, e a diretora de vendas para grandes contas em São Paulo, Marcia Nakahara [hoje a country manager da McAfee].

Os cortes seguiram em nível regional também, incluindo Paulo Irgang, gerente de contas responsável pelos mercados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná [hoje na IBM].

Para substituir os executivos que saíram, a Symantec adotou um approach inédito de trazer executivos de fora da empresa, e, inclusive, de fora do mercado de segurança propriamente dito.

A liderança da empresa foi assumida por Sergio Chaia, ex-CEO da operadora de telecom Nextel. Com passagens por Sodexo, Pepsico, Pfizer, Chaia nunca dirigiu uma empresa na área de TI.

Lucia Bulhões, ex-diretora de vendas da Dell no Brasil, assumiu como a nova diretora de Vendas

É mudança e tanto para a Symantec no Brasil. Desde o começo das operações por aqui, a fabricante de antivírus sempre foi comandada por executivos de carreira da empresa.

Agora é aguardar para ver os resultados que o novo time trará. Em nível global, a estratégia parece não ter dado certo.

Em julho de 2012, a empresa trouxe Steve Bennett, um ex-GE, para assumir como CEO. Bennet não durou um ano no cargo, sendo demitido em março deste ano.

A empresa não tem tido bons resultados. Na nota na qual divulgou a saída do CEO, a Symantec também divulgou suas expectativas para o quarto trimestre do ano fiscal de 2014, apontando vendas de US$ 1,6 bilhão, contra US$ 1,7 bilhão no ano passado

A Symantec, quase um sinônimo de antivirus, atravessa um momento complicado, no qual enfrenta a concorrência de novatas como Palo Alto Networks e a FireEye enquanto tenta se adaptar a um novo cenário de computação, na qual mobilidade é uma tendência crescente.