Autoridades no lançamento do Polo Tecnológico de Uberlândia. Foto: divulgação.

Foi firmada em Uberlândia, cidade mineira a 537 km de Belo Horizonte, a pedra fundamental para a construção de um polo tecnológico para a cidade.

Em área total de 152.845 metros quadrados, o Polo abrigará empresas de tecnologia, criação e desenvolvimento de software, com foco em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e capacitação de recursos humanos para atender ao mercado de tecnologia e inovação.

Segundo informações do município, o complexo terá 94 mil metros quadrados destinados à instalação de empresas e 58 mil metros de área de preservação ambiental.

Companhias de renome do setor sediadas na cidade, como Netviagem e Landix, estiveram presentes ao evento de lançamento da iniciativa.

Para o diretor da Landix, Miguel Correia Lima, os polos conseguem solucionar diversas questões da área tecnológica.

“A TI hoje é como um jogo de Lego. Não existe empresa que faça tudo. São necessárias muitas empresas com sinergia entre si e o polo proporciona isso”, garante

DESENVOLVENDO A CIDADE

Para o prefeito Odelmo Leão, a vinda de um polo acompanha o o desenvolvimento da cidade, que precisa de espaços para receber novos negócios.

“Nos últimos cinco anos Uberlândia se tornou a segunda cidade do interior do país em número de geração de postos de trabalho", destaca.

Com uma área de aproximadamente 4,1 km², Uberlândia conta com cerca de 620 mil habitantes, focando a sua economia no setor de prestação de serviços e indústria.

O PIB da cidade mineira é o 27º maior do país, com um produto per capita de R$ 22 mil.

POLOS E PARQUES

De acordo com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), atualmente o país conta hoje com 12 polos tecnológicos.

No Rio Grande do Sul, segundo dados da entidade, são notados os polos de Caxias do Sul - Trino Polo -  e o Polo Tecnológico do Noroeste Gaúcho – Iptec.

Também no estado, as maiores iniciativas do gênero está ligada a universidades como Feevale, Unisinos e PUC-RS, que mantém parques tecnológicos em Novo Hamburgo, São Leopoldo e Porto Alegre, respectivamente.