O app do Watch oferece alguns vídeos promocionais da primeira geração de smartwatches da Apple.

A atualização mais recente do iOS (8.2) vem acompanhada de um novo aplicativo da Apple que o usuário não pode apagar. O app do Apple Watch oferece alguns vídeos promocionais da primeira geração de smartwatches da Apple, assim como um link para o site da empresa, em que há mais informações sobre o wearable. 

Em breve esse aplicativo servirá para mostrar todos os aplicativos que podem ser utilizados no AppleWatch, mas, segundo o Business Insider, por enquanto ele é quase uma tela vazia.

Para quem não quer o app do relógio no iPhone, a única opção é não fazer o download da atualização do iOS.

Caso contrário, ele vai se juntar à legião de apps da Apple que não podem ser excluídos, como Passbook, Tips, Stocks, Weather, Calendar, Clock, FaceTime, Contacts, iBooks, Compass, Maps, Health, Newsstand, Photos, Camera, Notes, Messages, Voice Memos, iTunes Store e a App Store.

Uma diferença do novo app, que deve causar revolta de usuários, é seu caráter promocional, bem diferente do propósito de apps como os focados em calendário e previsão do tempo.

A novidade lembra uma das mais recentes polêmicas da Apple, quando a empresa disponibilizou gratuitamente um álbum completo do U2 para mais de 500 milhões de clientes durante o lançamento do iPhone 6. 

A polêmica aconteceu porque as músicas foram adicionadas nas contas dos usuários sem autorização. Para não ter os arquivos em seus dispositivos, era preciso apagar as músicas do iPhone, iPod ou iPad e ocultar o álbum da biblioteca do iTunes. Depois, a Apple ofereceu uma ferramenta para remover o álbum do U2 de forma definitiva. 

O movimento da Apple para promover o relógio é uma estratégia para conquistar uma fatia do mercado mundial de relógios conectados, que deve crescer 511% em 2015. A consultoria Strategy Analytics prevê que as vendas passarão das 4,6 milhões de unidades do ano passado para 28,1 milhões neste ano.

Mesmo com as polêmicas, a inserção de apps “forçados” não é exclusividade da Apple. O movimento atinge todos os níveis de marcas, inclusive a brasileira Positivo, focada especialmente em smartphones de entrada.

Há cerca de um ano, a Positivo lançou o App Grátis Positivo, um aplicativo instalado em seus tablets e celulares através do qual marcas podem sugerir downloads para os usuários.

A cada novo conteúdo ofertado por anunciantes, os donos dos celulares recebem um aviso com descrição, serviço e benefícios do aplicativo.