TENDÊNCIA

O que Eike ensina sobre marketing

10/02/2017 11:52

A trajetória fulminante de Eike Batista chegou ao seu pior momento em 2017. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

* Por João Gabriel Chebante
O tema é pauta da imprensa nas últimas semanas e saiu do espectro nacional para chegar aos principais sites de negócios do mundo. A trajetória fulminante de Eike Batista chegou ao seu pior momento: a prisão como cidadão comum do antes homem mais rico do país e um dos 10 principais do planeta.

Pode ser difícil perceber, mas é um grande aprendizado para os profissionais de marketing e vendas, de frente com novas tecnologias que mudam toda a dinâmica da atividade, principalmente em meios digitais.

Nos últimos anos, houve forte ascensão do conceito de inbound marketing (uso inteligente das mídias sociais, e-mail marketing e outros ganchos para gerar reconhecimento e referência de marca), bem como growth hacking e suas técnicas para fomentar o crescimento do resultados de comunicação e vendas. É claro que isso é o futuro do marketing: cada vez mais a intuição pesará menos que os grandes dados no desenvolvimento de novos negócios, produtos e serviços.

A derrocada de Eike Batista começou a partir do momento que sua dinâmica de captação de recursos foi muito aquém do que pessoas físicas e jurídicas almejaram ao investir na sua Mini-Vale, Mini-Petrobras e Mini-Embraer dos mares. O gestor do “Mundo X” era um excelente vendedor, mas prometeu mais do que devia e executou mal. Ainda que a conjuntura macroeconômica tenha dado um empurrão, o certo é que trata-se de um típico caso de overselling, quando sua proposta de valor está muito além da real entrega.

É aqui que mora a reflexão sobre inbound marketing e o mundo real: não adianta você adotar as melhores práticas de construção de marca, gatilhos mentais, geração de landing pages e plataformas para automatização de marketing. Tão importante quanto ajustar a máquina de comunicação e vendas nos dias atuais é entregar produtos e serviços coerentes com a sua proposta.

Ter um ótimo planejamento de inbound marketing deve ser o desenlace de um ótimo desenvolvimento de marca e sua entrega de valor, e não o contrário. Ainda que o meio digital dê a oportunidade de investir menores montantes, com maior assertividade e retorno no curto prazo, a economia ainda é pautada na entrega de ativos reais. Você precisa se preocupar com os demais pontos de contato da marca com o mercado - relacionamento direto com o cliente, logística, embalagem, produtos, pós-vendas - para validar a mecânica otimizada de vendas que está implementando.

Assim como no dicionário, “marca”, “trabalho” e “valor” devem sempre vir antes de “vendas”. Procure focar seus esforços para gerar resultados e remuneração ao seu negócio. Geralmente, quem olha prioritariamente em vendas tem uma ascensão rápida, pautada em uma proposta de valor fantasiosa, difícil de cumprir. Já a queda… Bom, a mais famosa delas em 2017 parou em Bangu 9.

* João Gabriel Chebante é fundador da Chebante Brand Strategy.

Veja também

SMART MESSAGES
BRBCard: mobile marketing com Gemalto

A Gemalto vai fornecer o serviço de Mobile Engagement and Monetization.

DOMO
Ex-executivos do Buscapé criam fundo

O primeiro projeto de venture capital da Domo destinará até R$ 100 milhões para startups.

THE FOUNDER
Game simula criação de startup

O The Founder é o modo mais seguro de ter sua startup.

CARREIRA
Cisco tem novos líderes em áreas de inovação

Rodrigo Uchoa assumiu o cargo de diretor de negócios para transformação digital.

ALTA
Gigamon cresce 40% em 2016

A Gigamon registrou um faturamento de US$ 310 milhões em 2016.

EXPANSÃO
Kanamobi abre unidade nos EUA

A unidade fica em Fort Lauderdale, na Flórida.

VÍDEO
PromonLogicalis oferece sistemas da Kaltura

A companhia tem Teltec Solutions, Brasoftware e Nextvision como parceiras no Brasil.