CONTROLE

Grupo Koch: tecnologia de olho no caixa

09/12/2020 09:17

Monitoramento do PDV em piloto diminui perdas em alguns itens em até 76%.

Gatecash controla tudo que acontece no caixa. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Grupo Koch, uma das maiores redes de supermercados de Santa Catarina, reduziu muito o dinheiro perdido por itens não cobrados no caixa durante um piloto com tecnologia da multinacional sueca Gunnebo.

Durante o piloto, realizado por seis meses em uma unidade em Itapema, cidade no litoral catarinense onde fica a sede do Koch, o índice de falta de registros de algumas mercadorias, chegaram a cair em 76%.

O Gatecash, ferramenta de monitoramento implantada na unidade, reúne imagens, vídeos e áudios captados no PDV, atuando de maneira integrada ao software de automação comercial da empresa.

Sabendo que está sendo controlado, o caixa se torna mais atento na maioria dos casos, e menos propenso a trapacear, em uma minoria.

Os produtos que registravam perdas no PDV, aliás, oferecem um insight sociológico interessante: cervejas em latas de 350 ml e 473 ml, cerveja long neck, leite longa vida, caixas de hambúrguer e steak, água mineral e sacos de carvão.

“Na identificação das faltas de registros desses itens, podemos destacar que 80% são por pura falta de atenção dos operadores de caixa e 20% por fraudes, onde alguns deles fazem o atendimento a familiares e seus conhecidos”, afirma Alessandro Ziebell, gerente executivo de Prevenção de Perdas do Koch.

Segundo Ziebell, o Koch aposta cada vez mais no setor de prevenção de perdas e há um ano ele é visto pela diretoria e o conselho de administração como uma área estratégica do negócio. 

“Após a análise dos benefícios, consideramos o Gatecash muito eficaz no combate às perdas na frente de caixa. Dessa forma, a intenção é implantá-lo em nossas novas unidades, inclusive no modelo atacarejo, onde a perda no PDV é maior em função da venda de grandes volumes de mercadorias”, afirma Alessandro Ziebell.

Até o final do ano, mesmo com a pandemia do novo coronavírus, o Grupo Koch deve inaugurar cinco novas unidades, entre atacado e varejo, em um investimento de R$ 100 milhões. Outros R$ 30 milhões serão investidos na construção do novo Centro de Distribuição.

A empresa fatura cerca de R$ 2 bilhões, de acordo com o ranking da Associação Catarinense de Supermercados.

A Gunnebo oferece produtos de proteção eletrônica para o varejo (antenas, etiquetas, cadeados, CFTV e acessórios), além de ser uma referência em soluções de tecnologia para performance de loja (contadores de fluxo, cofres inteligentes, monitoramento de PDV e transferência de mercadorias).

A companhia atende boa parte das maiores do varejo brasileiro, incluindo Carrefour, GPA, Sonda, Nordestão, Super Nosso, Koch, Coop, C&A, Riachuelo, Marisa, Centauro, RaiaDrogasil, DPSP, Farmácias Pague Menos, Lojas Americanas e Magazine Luiza.

Veja também

COMPRAS
Black Friday: e-commerce lidera pela 1ª vez

De acordo com o Itaú, o volume de vendas online foi 50,4% do total.

VENDAS
Grupo Herval: novo e-commerce com Oracle

Times de e-commerce da taQi e da Voulevar terão mais autonomia com o Oracle Commerce Cloud.

DADOS
Estrela Lojas implanta BI com Data System

Varejista de moda controla indicadores com solução baseada no Power BI da Microsoft.

VAREJO
Constance adota PDV da Data System

Desde março, empresa implantou sistema em suas 154 lojas próprias e franqueadas.

VAREJO
GPA: upgrade na logística com Manhattan Associates

Gigante do varejo adotou um pacote completo incluindo TMS, WMS, LMS e SCI.

ROSTOS
Gateware compra startup de biometria

Mercado de reconhecimento facial está em alta e agora tem novo competidor.

VAREJO
Marisa moderniza e-commerce com FH

Consultoria SAP trabalhou na integração do C/4 Hana com o ERP da Linx.

COMPRA
Omie faz sua primeira aquisição

Escolhida foi a Mintegra, que faz integração com marketplaces e plataformas de e-commerce.

AQUISIÇÃO
Linx compra Mercadapp

Empresa tem uma plataforma white label para supermercadistas venderem on-line.

A JATO
Mercado Livre terá frota própria de aviões

Objetivo é aumentar a capacidade de entregas para o dia seguinte à compra no Brasil.