REDE SOCIAL

Falha de segurança leva ao fim do Google+

09/10/2018 11:41

Falha permitiu que desenvolvedores externos acessassem dados de usuários entre 2015 e março de 2018.

O Google+ expôs a desenvolvedores dados privados de usuários entre 2015 e março de 2018. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Uma falha de software fez o Google expor dados privados do perfil pessoal de centenas de milhares de usuários do Google+. De acordo com o Wall Street Journal, a empresa decidiu não revelar o problema ao público. Agora, após a exposição na mídia, o Google anunciou o encerramento da rede social.

De acordo com o jornal, a falha permitiu que desenvolvedores externos acessassem os dados entre 2015 e março de 2018. A falha foi corrigida e o Google concluiu que nada foi feito com a informação

A reportagem do WSJ teve acesso a um memorando preparado por advogados do Google e especialistas em política que avisaram às lideranças do Google que divulgar a falha causaria "interesse regulatório imediato" e "causaria danos à reputação".

O memorando também afirmou que o fato desencadearia comparações com o escândalo do Facebook envolvendo a Cambridge Analytica. O CEO do Google, Sundar Pichai, foi informado sobre o plano após a decisão de não informar o público, segundo fontes do Wall Street Journal.

Na postagem do Google sobre o fechamento do serviço, a empresa não cita diretamente a matéria do jornal. A empresa relata que desenvolveu uma iniciativa, chamada Project Strobe, para revisar "acesso de desenvolvedores terceirizados às contas do Google e dados de dispositivos Android".

A empresa reconheceu que, como parte da auditoria do projeto Strobe, descobriu um bug em uma das APIs de pessoas do Google+. 

O Google confirmou que o bug forneceu acesso à informações dos usuários a terceiros, incluindo nome do usuário, endereço de e-mail, ocupação, sexo e idade.

“Não encontramos nenhuma evidência de que algum desenvolvedor tenha conhecimento desse bug ou tenha abusado da API, e não encontramos nenhuma evidência de que qualquer dado de perfil tenha sido usado de forma incorreta", diz a nota da empresa.

Quanto ao motivo pelo qual o Google não divulgou a falha de segurança para o público, a empresa disse que concluiu que a situação não havia escalado “para esse nível”.

"Nosso escritório de Privacidade e Proteção de Dados analisou esse problema. Verificamos o tipo de dado envolvido, se poderíamos identificar com precisão os usuários para informar, se havia alguma evidência de uso indevido e se havia alguma ação que desenvolvedores ou usuários poderiam tomar em resposta. Nenhum desses limites foi atendido nesta instância", afirma o post.

O Google+ foi criado em 2011 como uma resposta da empresa ao Facebook. O serviço, no entanto, nunca reuniu muitos seguidores ou desafiou seriamente o líder do segmento de redes sociais.

Veja também

PROGRAMAÇÃO
Competição do Google rende oportunidades

Competição online de programação vai selecionar os melhores candidatos para um processo seletivo do Google.

DIREITO
Martorelli utiliza IA do Google

Para o desenvolvimento do projeto, o escritório contará com a parceria da empresa Ensinar Tecnologia.

CONTRATAÇÃO
Ex-Google é CEO da Affero Lab

Rodrigo Pimentel deixou o cargo de Head do Google for Education na América Latina.

ARMAZENAMENTO
Google One substitui planos pagos do Drive

O sistema oferece entre 100 GB e 30 TB de armazenamento na nuvem.