Banco porto-alegrense ganha tempo e performance com Oracle RAC R2. Foto: Flickr.com/kalinx

A porto-alegrense Advanced IT concluiu no fim do mês passado a implantação do Oracle RAC (Real Application Cluster) 11g R2 no também gaúcho Banco Topázio.

O projeto, que teve duração de 36 semanas, aumentou a disponibilidade do ambiente de banco de dados da instituição, o que, devido à diversidade de rotinas aceleradas, dificulta exatidão na definição do tempo ganho, mas permite avaliar uma queda à metade no tempo gasto para processamento de dados para processos vários, incluindo os de fechamento do banco, segundo o coordenador de Projetos do Topázio, Gustavo Galimberti.

Para isso, o projeto envolveu não só a criação do RAC e atualização de versão do Oracle, mas também a migração da plataforma Standard para Enterprise e atualização do parque de servidores e storage IBM.

Os ganhos vieram em continuidade de processamento para aplicações de missão crítica, permitindo que o banco permaneça disponível em caso de falha em algum dos servidores do cluster.

O gerenciamento das bases de dados também foi otimizado com a permissão de que aplicativos rodem em vários servidores interconectados, possibilitando ganhos de performanceem caso de uso de processos em paralelo entre os servidores.

MUDANÇAS
O projeto foi conduzido por Daniel Scherer, que na semana passada deixou a superintendência de TI do Banco Topázio e Topázio Cartões para ser o novo diretor de TI da seguradora gaúcha Grupo Sabemi.

FORNECEDOR
Responsável pela migração do banco, a divisão de Infraestrutura da Advanced IT faz, atualmente, a gestão de 35 Tb de dados em mais de 200 bancos de dados Oracle e SQL Server de seus clientes – o equivalente a uma biblioteca de 21,9 milhões de volumes, aproximadamente.

A equipe também já realizou mais de 60 implantações de Oracle RAC em todo o país.

Já o Topázio pertence ao grupo de negócios do empresário gaúcho Ernesto Corrêa e Silva, que também detém companhias como GetNet, Embratec, Good Card, Eco Frotas e Eco Benefícios.