Juliano Tubino, vice-presidente da Totvs.

A Totvs acaba de montar a Eleve, uma nova divisão voltada para competir no mercado de sistema de gestão na nuvem para pequenas empresas, com um canal de vendas baseado em contadores, o que coloca a companhia em competição direta com startups badaladas como Omie, ContaAzul e Contabilizei.

De acordo com o site Neofeed, a nova divisão tem uma oferta baseada Bemacash, software que ia embarcado junto com os produtos de impressão fiscal da Bematech, que a Totvs comprou em 2015 e vendeu para a Elgin em 2019.

A divisão começou a atuar no começo do ano com módulos de vendas para o varejo e para o setor de saúde. Em meados de junho, a Totvs lançou um módulo de gestão, com foco na parte financeira e voltado para contadores, explica o Neofeed.

De acordo com o site, a Totvs está indo com força atrás dos contadores, oferecendo uma comissão de até 50% aos profissionais que venderem assinatura de seu sistema aos seus clientes. 

Em entrevista ao site, Juliano Tubino, vice-presidente da Totvs, disse que o “nível de comissionamento é ímpar e não é temporário”, o que sinaliza que a empresa está apostando para valer no novo mercado.

A Eleve já conta com dezenas de milhares de clientes, por conta de parte deles terem sido herdados do antigo Bemacash. Eles pagam uma assinatura que varia de R$ 79 a R$ 169 ao mês, mas a maior parte está concentrada em varejo e saúde.

A estratégia de acessar o mercado de pequenos clientes por meio dos contadores, oferecendo comissão e software grátis para os escritórios, no entanto, é nova e ainda está nas fases iniciais.

Segundo dados do Conselho Federal de Contabilidade, a categoria tem 500 mil integrantes no país. Esse mercado é atendido por fornecedores de nicho, e, na última década, começou a ser assediado por startups interessadas em uma porta de entrada nos clientes.

O interessante é que a nova estratégia da Totvs para entrar no segmento atendido pelas startups de software de gestão acontece depois que pelo menos uma delas, a Omie, anunciou publicamente uma “pivotagem” visando atender o tipo de cliente que a Totvs atende.

Em abril, a companhia anunciou uma mudança radical de rumos, com a demissão de 134 funcionários, cerca de um terço do total, e um novo foco de mercado em clientes maiores do que os que tradicionalmente atendia.

Em nota explicando o movimento, a Omie afirma já vinha conquistando clientes com faturamento acima de R$ 50 milhões, nos quais estava "substituindo antigos ERPs tradicionais - algo que nunca planejamos e nunca corremos atrás". 

A promessa é reduzir o custo de propriedade do ERP dos clientes de em torno de R$ 500 mil para R$ 20 mil anuais.

Agora, parece que a Totvs resolveu contra atacar, apostando em um mercado que a Omie estaria deixando descoberto, além de outras empresas com um perfil parecido como ContaAzul e Contabilizei, que também captaram dinheiro de fundos, mas não anunciaram mudanças nos planos de negócio.

A Totvs é um adversário temível, que já tem 48% de participação de mercado entre as empresas de pequeno porte, aquelas com até 170 funcionários, segundo a pesquisa “Uso de TI nas Empresas em 2019”, da Fundação Getúlio Vargas, de São Paulo.